Blog

Conquista: após três anos, Receita libera inscrições para treinamento do ITR

Publicado em 20/09/2018 às 17h15

EsafA Confederação Nacional de Municípios (CNM) informa que, após três anos de articulação, estão abertas as inscrições para o treinamento do Imposto Territorial Rural (ITR). A demanda por parte dos gestores locais e profissionais foi levada pelo movimento municipalista ao Executivo diversas vezes, sendo incluída como pauta prioritátia com os órgãos do governo federal. A Escola de Administração Fazendária (Esaf) liberou edital e os interessados poderão se inscrever entre esta quarta-feira, 20 de setembro, e sábado, 29 de setembro.

O curso é obrigatório aos servidores indicados pelo Município conveniado que atendeu aos requisitos da Instrução Normativa (IN) 1640/16 e que teve a republicação do convênio no Diário Oficial da União (confira aqui seu Município). Também têm de participar representantes dos Entes municipais que registraram a intenção em aderir ao convênio e que receberem 100% da arrecadação do tributo.

De acordo com o edital, serão ofertadas 800 vagas pela modalidade online, com uma carga horária de 40 horas, distribuídas em seis módulos e com taxa única no valor de R$ 125,00. A CNM alerta para os procedimentos de pagamento, pois a lista de todos os inscritos será repassada pela Esaf à Receita Federal do Brasil (RFB) para que sejam verificados os dados dos servidores que apresentaram documentação conforme o art. 10, II, IN RFB 1640/2016 e tiveram o convênio republicados.

Após a análise da RFB, o candidato receberá em seu e-mail notificação com deferimento da inscrição e informações para realizar o pagamento, cujo prazo encerra dia 11 de outubro. A CNM lembra ainda que o treinamento do ITR é obrigatório para o Ente municipal que ainda não possui servidor treinado, ou seja, que não possui acesso ao Portal ITR. Apenas por meio desse sistema o Município poderá receber seus estoques de malhas e iniciar as atividades de fiscalização e arrecadação.

Acesse o site da Esaf para realizar sua inscrição

Foto: Esaf

Comentários (0) e Compartilhar

PT serve café frio ao ex-ministro Zé Dirceu

Publicado em 20/09/2018 às 16h45

Dirceu não coenta nada de relevante em seu livro de memórias que comprometa Lula

Houve um governador em Pernambuco (Moura Cavalcanti) que costumava dizer que nos últimos 6 meses do seu mandato, até o cafezinho que era servido no Palácio das Princesas chegava à sua mesa frio. José Dirceu, espécie de 1º ministro da República no primeiro governo do presidente Lula, foi um dos homens mais poderosos do Brasil. Todas as decisões importantes do governo passavam por ele, incluindo nomeações para empresas estatais e indicações de ministros para tribunais superiores. Nessa época, os petistas brigavam para servir-lhe cafezinho quente. Por ironia da política, o ex-ministro da Casa Civil teve o nome envolvido no “mensalão”, que culminou com a cassação do seu mandato de deputado, e depois na “Lava Jato” que resultou em sua condenação a 30 anos de cadeia. Por tudo isso, poderia ter-se transformado num novo Palocci, que num gesto de oportunismo e canalhice resolveu delatar o ex-presidente, que o escolheu para ser seu ministro da Fazenda, quando poderia ter escolhido um dos economistas do partido (Palocci é médico). Lembra-se isto para dizer que José Dirceu esteve ontem no Recife a fim de lançar o 1º volume do seu livro de memórias. Nele, apenas mágoas do governo e do PT, contadas de forma superficial, mas nada de bombástico que arraste Lula para a roda. Na entrevista que deu anteontem, ficou a impressão de que recebeu com serenidade a pena a que foi condenado, e que espera, um dia, provar à Justiça a sua inocência. A maioria dos petistas que o bajulavam, sobretudo os que estão disputando as eleições deste ano, correm dele como o diabo da cruz, o que lembra o cafezinho frio de que falava o ex-governador.

Dilma para presidente?

Entrevistado anteontem no programa “Roda Viva Pernambuco”, Maurício Rands (PROS) contou que era líder da bancada do PT na Câmara quando circularam as primeiras informações de que Lula apresentaria Dilma como candidata a sua sucessão. Ficou tão escandalizado com a notícia que foi conferir a sua veracidade com os ministros Tarso Genro e José Eduardo Cardoso.

Sem preparo – Rands achava Dilma “despreparada” e “arrogante” e o tempo provou que tinha razão. Hoje, estranha que petistas como Humberto Costa falem mal apenas de Michel Temer, esquecendo que ele (Temer) foi o vice de Dilma e que foi Lula quem escolheu os dois.

A decência – Rands disse que voltou à vida pública “por idealismo” (renunciou ao mandato de deputado em 2012) a fim de mostrar às novas gerações que a política não tem só “canalhas”. E citou Roberto Magalhães como um dos “políticos mais decentes” que conheceu na Câmara.

Bolsa família – Jarbas (MDB) foi contra o “bolsa família” no passado e chegou a dizer à revista “Veja” que o considerava o “maior programa de compra de votos do mundo”. Hoje, reconciliado com o PT, diz que quer ser senador para ajudar Paulo Câmara a conseguir os recursos para pagar o 13º desse programa, que é uma de suas promessas de campanha.

A massificação – A ordem do “marketing” de Armando Monteiro (PTB) é massificar a frase “se a gente não mudar, fica tudo como está”, pois pesquisas qualitativas indicam que ela está sendo bem assimilada pelos eleitores, sobretudo do Recife e cidades da área metropolitana.

A expulsão – Ao se deixar fotografar ontem no Recife ao lado de um cartaz com um retrato de Jair Bolsonaro (PSL), Júlio Lossio pode ter dado pretexto à Rede de Marina Silva para expulsá-lo do partido. Anteontem, o PSB expulsou o prefeito de Chapecó (SC) pelo mesmo motivo.

Fonte : Blog de Inaldo Sampaio.

Comentários (0) e Compartilhar

Datafolha: entre os estados analisados, Bolsonaro perde apenas em Pernambuco

Publicado em 20/09/2018 às 16h15

Em Pernambuco, Bolsonaro perde para Haddad / Foto: Agência BrasilEm Pernambuco, Bolsonaro perde para Haddad

Foto: Agência Brasil
JC Online
 

De acordo com a pesquisa Datafolha para presidente, divulgada nesta quinta-feira (20), Jair Bolsonaro (PSL) lidera com folga em em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, quatro das cinco unidades federativas nas quais o instituo realizou um levantamento a parte. A exceção ficou por conta de Pernambuco, onde o candidato perde para Fernando Haddad (PT).

No Estado, o petista aparece em primeiro lugar com 24% das intenções de voto e Bolsonaro fica em segundo, com 17%. O indíce de eleitores que pretendem votar branco ou nulo é de 16%, maior que a média nacional de 12% e o mais alto entre as unidades analisadas. O percentual é maior inclusive que o apresentado por Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado entre os candidatos com 13%.

A rejeição de Bolsonaro também é grande em Pernambuco. Localmente, 55% dos entrevistados afirmaram que descartam o presidenciável do PSL entre as opções de voto. Nacionalmente, 43% dos entrevistados não votariam nele de jeito nenhum.

A pesquisa, encomendada pela Folha de S. Paulo e TV Globo, foi realizada entre os dias 18 e 19 de setembro, e a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos em Pernambuco. O levantamento foi registrado na Justiça Eleitoral no número BR-06919/2018.

Datafolha por unidade federativa:

Pernambuco
Fernando Haddad (PT): 24%
Jair Bolsonaro (PSL): 17%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
Marina Silva (Rede): 9%
São Paulo
Jair Bolsonaro (PSL): 27%
Fernando Haddad (PT): 13%
Ciro Gomes (PDT): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 16%
Marina Silva (Rede): 6%
Rio de Janeiro
Jair Bolsonaro (PSL): 38%
Fernando Haddad (PT): 11%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Geraldo Alckmin (PSDB): 5%
Marina Silva (Rede): 8%

Distrito Federal

Jair Bolsonaro (PSL): 39%
Fernando Haddad (PT): 13%
Ciro Gomes (PDT): 14%
Geraldo Alckmin (PSDB): 5%
Marina Silva (Rede): 9%
Minas Gerais
Jair Bolsonaro (PSL): 29%
Fernando Haddad (PT): 16%
Ciro Gomes (PDT): 12%
Geraldo Alckmin (PSDB): 8%
Marina Silva (Rede): 7%
Brasil:
Jair Bolsonaro (PSL): 28%
Fernando Haddad (PT): 16%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Geraldo Alckmin (PSDB): 9%
Marina Silva (Rede): 7%
 

Fonte: JC.

Comentários (0) e Compartilhar

Entre romper com o PSB e dividir espaço com Bolsonaro

Publicado em 20/09/2018 às 15h45
Encontro de Julio Lócio com simpatizantes de Bolsonaro
Encontro de Julio Lócio com simpatizantes de BolsonaroFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Ainda em junho, Marina Silva não titubeou ao ser indagada sobre o rompimento com o Governo Paulo Câmara em Pernambuco. "Nos estados onde houve a compreensão de que o melhor caminho era sair de uma forma respeitosa do governo, as pessoas saíram do governo. Porque, para nós, não é uma questão de cargos, é o programa", devolvera ela em entrevista à coluna digital No Cafezinho, desta Folha. A Rede comandava, na administração socialista, a pasta de Meio Ambiente. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, chegou a disparar críticas em relação à saída da Rede de alianças nos seguintes locais: Pernambuco, Paraíba e Distrito Federal. Siqueira, a partir dali, subira o tom, ironizando que uma composição nacional do PSB com a Rede seria "um sonho". Ontem, no dia que a executiva estadual o PSB anunciou a expulsão da prefeita de Panelas, Joelma Campos, por declarar apoio ao candidato a Jair Bolsonaro e aderir à postulação do palanque adversário, o candidato da Rede a governador de Pernambuco, Julio Lossio, protagonizou almoço no qual recebeu, formalmente, apoio de dois nomes que apoiam Bolsonaro: Coronel Meira e Gilson Machado. O material de campanha exposto exibia foto de Lossio ao lado da esposa, Andrea, candidata a deputada estadual, do Coronel Meira, que concorre a federal e de Bolsonaro. Antes mesmo desse episódio, o clima na legenda, em Pernambuco, já não andava bom. Ontem, a Executiva Nacional da Rede documentou o incômodo. A direção notificou Lossio e deu 24 horas para ele se manifestar sobre a aproximação com bolsonaristas. Se vale mais o fator "programa", como Marina advertira, o de Bolsonaro parece distante do dela. O candidato do PSL lidera as pesquisas. Marina desidrata. Por enquanto, na Rede, evita-se falar em arrependimento de ter rompido com o PSB, partido pelo qual Marina já foi candidata à Presidência da República, em 2014. A sigla espera Lossio falar. A conferir.

Expulsos por apoio a Bolsonaro
Antes que a Rede agisse no caso de Lossio e que o PSB-PE expulsasse a prefeita Joelma Campos, Carlos Siqueira já havia anunciado, na terça, a expulsão do prefeito de Chapecó, Luciano Buligon.

Orfã > Nas hostes da Rede, se admitia, ontem, a possibilidade de a sigla ficar sem candidato a governador. Ao mesmo tempo, se considerava que Lossio já não tem contado como palanque pró-Marina.

Quem avisa > O texto no qual a Rede notifica Lossio adverte sobre "indícios de infidelidade" e avisa que eventual "não manifestação" pode ensejar "abertura de processo disciplinar e consequente expulsão e cancelamento do registro de candidatura". É assinado pelos coordenadores gerais, Laís Alves Garcia e Pedro Ivo.
 
PSB por dentro > Após os ex-coordenadores da Rede, Victor Lima e Atailton Tavares, pedirem renúncia à comissão executiva estadual, Lossio, à coluna, alfinetara: "Temos, na Rede, o laranja lima, verde por fora e amarelo por dentro".
 
Mais amarelo > Ontem, um membro da Rede, nos bastidores, sapecou: "Na minha terra, laranja lima é toda amarela". Referia-se a nomes que optaram por permanecer na gestão Paulo Câmara.
 
Um colorido > No PSB, o imbróglio na Rede rendeu a seguinte análise de um observador nas coxias: "O Sertão é pródigo em dar camaleões: Lossio e Fernando Bezerra Coelho". 
 
O Mecanismo > Cristiano Pimentel, do Ministério Público de Contas, fará palestra, hoje, sobre "os novos métodos para combater os crimes contra a Administração Pública", em evento do IDEPPE e da OAB em Caruaru.

 

FonteFolha de PE.

Comentários (0) e Compartilhar

Disputa pelo Senado ganha ares de consolidação

Publicado em 20/09/2018 às 15h00

Faltando 17 dias para a eleição, de acordo com o Ibope o deputado Jarbas Vasconcelos chegou a 34%, enquanto o senador Humberto Costa, que tenta a reeleição, atingiu 31% das intenções de voto. Ambos possuem, respectivamente, 12 e 9 pontos em relação ao terceiro colocado, Mendonça Filho, que vem desidratando de acordo com os dois últimos levantamentos, e já aparece com apenas 22%. Essa característica de Mendonça é inerente ao candidato, que nas três majoritárias que disputou e foi derrotado, não cresceu nas pesquisas, ele sempre estagnou, como em 2006 e 2008 ou desidratou, como em 2012, quando acabou com 2,24% dos votos para prefeito do Recife.

O quarto colocado, Silvio Costa, é uma grata surpresa na disputa, pois conseguiu descolar da candidatura de Maurício Rands, que aparece com apenas 2%. Silvio está com 10% e poderá ser beneficiário do segundo voto de Humberto Costa, devido a sua ligação com Lula, mas é pouco provável que ele chegue ao segundo lugar ou o primeiro e seja eleito. É altamente plausível que Humberto possa puxar Silvio para a terceira colocação nas urnas.

Jarbas Vasconcelos, por sua vez, além de receber o voto da Frente Popular, pode ter o segundo voto do eleitor de Mendonça ou de Bruno Araújo devido a sua militância política ao lado de ambos por muitos anos. Apesar disso, é extremamente plausível que Jarbas fique com a segunda colocação devido a não receber o voto do eleitorado lulista, que certamente impulsionará Fernando Haddad e Humberto Costa para a primeira colocação.

Diferentemente de 2002 quando Sergio Guerra começou atrás de Carlos Wilson e acabou vitorioso e de 2014 quando Fernando Bezerra Coelho estava atrás nas pesquisas e derrotou João Paulo na reta final, não há indícios de virada na disputa pelo Senado, ainda que Armando Monteiro consiga forçar o segundo turno, pois a primeira colocação de Paulo Câmara parece consolidada e geralmente o vitorioso do primeiro turno leva seus senadores, foi assim em todas as eleições, exceto em 1994 quando Carlos Wilson derrotou Armando Monteiro Filho na disputa pelo Senado, com a explicação de que ele tinha sido vice de Arraes e o eleitor sinalizou o voto a Cali em vez de Armando Filho.

Portanto, com a vantagem de Jarbas e Humberto, ambos em viés de alta, sobre Mendonça Filho que está num claro viés de queda nas pesquisas, é possível afirmar que os dois senadores de Paulo Câmara estão caminhando a passos largos rumo à vitória no dia 7 de outubro, e que Mendonça Filho está muito próximo da sua quarta derrota majoritária em apenas 12 anos.

Novos métodos – O procurador Cristiano Pimentel, do Ministério Público de Contas (MPCO), estará em Caruaru, nesta quinta-feira (20), para palestra sobre “Os novos métodos para combater os crimes contra a Administração Pública e o Estado de Direito”. O evento é promovido pela OAB (Subseção Caruaru) e pelo Instituto de Direito Eleitoral e Público de Pernambuco (IDEPPE).

Armando Monteiro – O comando de campanha de Armando Monteiro está convencido das chances do petebista chegar ao segundo turno. A oscilação positiva de um ponto percentual e a estagnação de Paulo Câmara na pesquisa deram um novo fôlego ao petebista, que está fazendo um forte contraponto ao governador Paulo Câmara no guia eleitoral.

Patriota – A chapa do Patriota, que tem como principais nomes Juliana de Chaparral e Junior de Cleto, corre contra o tempo para poder atingir o quociente eleitoral ou aproximar dele para disputar com chances a sobra. Apesar de ambos terem bom potencial de votos, o que preocupa é a cauda do partido que não possui muitos nomes testados ou com boas chances de vitória.

Ferreiras – Muita gente aposta que André Ferreira terá pelo menos 200 mil votos para deputado federal e que Manoel Ferreira se aproximará dos 100 mil votos para deputado estadual. O PSC poderá eleger até seis deputados estaduais, o que fortalecerá muito o grupo Ferreira após estas eleições.

RÁPIDAS

Cleiton Collins – Em busca do quinto mandato como deputado estadual, Cleiton Collins tentará ser novamente o mais votado de Pernambuco e quebrar o seu recorde que foi de 216.874 votos em 2014. Se repetir o feito, Cleiton pode ajudar a coligação PP/PR/PMN e Solidariedade a eleger até 17 deputados estaduais.

PSDB – Caso se confirme a quarta colocação de Geraldo Alckmin na disputa presidencial e a quinta derrota seguida dos tucanos em disputas pelo governo federal, o PSDB precisará urgentemente se reposicionar na política. Não é normal que o partido responsável por importantes conquistas econômicas seja tão rejeitado pelo eleitorado.

Inocente quer saber – Quem está por trás do homem que tentou matar Jair Bolsonaro no dia 6?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Comentários (0) e Compartilhar

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||