Blog

Marina Silva sobre Joaquim Barbosa: engrandece qualquer partido

Publicado em 23/07/2017 às 08h15

Marina Silva elogia Joaquim Barbosa, ex-STF, mas garante que não fez nenhum convite para ele entrar na Rede / DivulgaçãoMarina Silva elogia Joaquim Barbosa, ex-STF, mas garante que não fez nenhum convite para ele entrar na Rede

Divulgação

Franco Benites

Candidata à presidência da República em 2014, a ex-senadora Marina Silva (Rede) analisa o cenário político do País e não poupa críticas a Michel Temer (PMDB), aos ex-presidentes Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) e ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). Para Marina, foram os partidos dessas lideranças políticas que levaram o Brasil “para o buraco”. Em conversa com o repórter Franco Benites, a ex-senadora defendeu o juiz Sérgio Moro, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e a Lava Jato. Sobre a eleição de 2018, Marina diz que ainda não decidiu se será candidata. Veja, aqui, a primeira parte da entrevista.

JORNAL DO COMMERCIO – Tem algo acertado para que Joaquim Barbosa se filie à Rede?

MARINA – Conversei com ele sobre o momento dramático que o País está vivendo, mas não tratei de filiação. O ministro Joaquim Barbosa é uma pessoa relevante, deu uma grande contribuição para o Brasil e continua dando. Com certeza será muito bem-vindo na cena política brasileira tão carente de pessoas que possam ajudar a melhorá-la. Mas, até por respeito a sua contribuição e a sua estatura, essa decisão é uma que ele próprio vai tomar. Mas não há dúvidas de que pessoas como ele e Ayres Britto (ex-presidente do STF) são personalidades da nossa vida pública que engrandecem qualquer partido.

JC – A senhora está satisfeita com a atuação da Rede no Congresso?

MARINA - A Rede é um partido pequeno, temos apenas dois anos de idade e conseguimos o nosso registro a duras penas porque houve uma série de manobras para impedir isso. Só conseguimos o nosso registro depois que o PT, PMDB, PSDB e seus satélites mudaram a legislação para que diminuísse o nosso fundo partidário, o nosso tempo de televisão e a possibilidade de participar dos debates. A Rede é o 28º partido em fundo partidário, tem apenas 12 segundos de televisão e, segundo os critérios que aprovaram para participar de debates, se precisará de nove deputados e a Rede só tem quatro. Mesmo assim, temos uma atuação com nossos deputados. Fomos nós que tomamos a iniciativa em relação à cassação do Delcídio do Amaral e do Eduardo Cunha e que entramos no Conselho de Ética com o pedido de averiguação da cassação do senador Aécio Neves. A Rede tem dado a sua contribuição, mas obviamente o que queremos é melhorar a qualidade da política. A nossa escolha nunca foi de quantidade e sim de qualidade. Nunca nos fixamos em eleição por eleição. Pensamos no que é melhor para o município, para o estado, para o País. Somos um partido plural, diverso.

JC – A Rede vai apoiar a reeleição do governador Paulo Câmara?

MARINA – Contribuímos com o governo com Sérgio Xavier (secretário estadual de Meio Ambiente). Esse processo de apoio é uma discussão da Rede em Pernambuco. Respeitamos os fóruns locais, mas queremos que os partidos que têm uma posição de ajudar a melhorar esse processo dramático que o País está vivendo possam continuar a caminhar juntos e que ajudem a quebrar a polarização que já deu o que tinha que dar. É preciso construir um novo caminho, que seja capaz de amadurecer a democracia e institucionalizar as conquistas. Infelizmente até hoje isso não aconteceu. O Plano Real deveria ser preservado pelos governos do PT e do PMDB. Não foi e levamos o País à crise. As políticas sociais dos governos do PT tinham que ser institucionalizadas para que não fossem secundadas em qualquer que seja o governo. Isso é fazer política de forma a não confundir projeto de País com projeto de poder e não confundir a institucionalização das conquistas com a fulanização e a partidarização.

JC – O discurso do deputado Bolsonaro (PTC-RJ) lhe surpreende ou incomoda? Ou lhe é indiferente?

MARINA – Foi um esforço muito grande para as conquistas ligadas aos direitos humanos, das mulheres, das populações indígenas, da defesa do meio ambiente, para que isso seja anulado ou que tenha qualquer tipo de retrocesso. Nos momentos de crise, quando a sociedade se decepciona com aqueles que fizeram promessas que não conseguem cumprir, às vezes surgem essas pessoas com atitudes contrarias à democracia, mas a sociedade já tem o amadurecimento necessário para saber que, ainda que a democracia seja imperfeita, ela é a forma mais adequada de tratar as nossas imperfeições. Só uma democracia permite que existam aqueles que se colocam politicamente contra ela. As ditaduras não permitem os posicionamentos contrários. A polarização nos levou para esse abismo. Vamos resolver os problemas com mais polarização? Com certeza não. Vamos fazer uma reforma política que estabeleça um lugar para que a sociedade seja protagonista. Defendo a lista independente, que se quebre o monopólio dos partidos e que se tenha as candidaturas cívicas.

JC - Integrantes insatisfeitos com o PSB têm procurado a Rede? As portas estão abertas para eles?

MARINA - A rede tem dialogado com o PSB em torno das questões que interessam ao País nessa crise terrível que estamos vivendo. Tivemos uma relação que foi profícua na eleição de 2014. A rede tem uma posição de respeito com os partidos em relação a sua estrategia e obviamente que desejamos que se torne possível dar continuidade ao legado que foi suscitado em 2014. Essa é uma discussão que cada partido vai fazer no seu tempo porque é preciso respeitar a democracia. Numa democracia os partidos têm os direitos de buscar suas melhores alternativas. Sempre buscamos dialogar com os partidos na busca de salvaguardar os direitos que, agora no governo Temer, estão sendo cada vez mais aviltados com reformas que ainda que necessárias não deveriam ser feitas da forma que estão sendo feitas e da forma que estão sendo propostas.

Fonte :JC.

Comentários (0) e Compartilhar

Moro manda comunicar Lula sobre bloqueio de bens

Publicado em 22/07/2017 às 20h00

O juiz federal Sérgio Moro mandou citar e intimar o ex-presidente Lula sobre o bloqueio de seus bens. A carta precatória - comunicado que um juiz envia a magistrado de outra Comarca -, número 700003646115 foi encaminhada à Seção Judiciária de São Bernardo do Campo, cidade da Grande São Paulo onde mora o petista.

O documento indica um prazo de 15 dias para Lula, por meio de seu advogado, apresentar resposta à medida requerida pelo Ministério Público Federal. Em anexo, será enviado ao ex-presidente o pedido de confisco, feito pelo Ministério Público Federal, em outubro do ano passado, e a decisão de Moro que ordenou as medidas assecuratórias.

O magistrado acolheu o pedido da Procuradoria da República em 14 de julho, dois dias depois de condenar Lula a 9 anos e seis meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso triplex.

Na sentença, o juiz da Lava Jato decretou o confisco do imóvel do Guarujá e impôs multa de R$ 16 milhões ao petista e a outros dois réus, o empreiteiro Léo Pinheiro e o executivo Agenor Franklin Medeiros, ambos da OAS.

Na terça-feira, 18, o Banco Central informou a Moro ter bloqueado R$ 606.727,12. O dinheiro foi encontrado em quatro contas de Lula: R$ 397.636,09 (Banco do Brasil), R$ 123.831,05 (Caixa Econômica Federal), R$ 63.702,54 (Bradesco) e R$ 21.557,44 (Itaú).

Além do dinheiro, Moro confiscou de Lula três apartamentos e um terreno, todos os imóveis em São Bernardo do Campo, e também dois veículos.

O bloqueio dos imóveis do petista atinge ‘a parte ideal de 50% correspondente à meação’ - em fevereiro, a mulher do ex-presidente, Marisa Letícia, morreu vítima de um AVC.

A ordem do juiz mirava ainda ‘ações, participações em fundos de ações, letras hipotecárias ou quaisquer outros fundos de investimento, assim como PGBL - Plano Gerador de Benefício Livre, VGBL - Vida Gerador de Benefício Livre e Fundos de Previdência Fechado’.

Parte desse valor, R$ 7.190.963,75, é relativo a um plano empresarial da LILS (empresa de palestras do petista). A outra parte, R$ 1.848.331,34, se refere a um plano individual.

Com o bloqueio, o dinheiro não pode ser resgatado. Os valores foram apurados, pelo BrasilPrev, até 19 de julho.

O Brasilprev oferece planos de previdência complementar aberta para pessoas físicas e jurídicas, nas modalidades Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

Segundo o BrasilPrev, há ‘dois planos de VGBL de titularidade do sr. Luiz Inácio Lula da Silva’.

O plano empresarial, afirma a empresa, foi estipulado pela L.I.L.S. Palestras Eventos e Publicações LTDA., disponível a adesão de seus empregados e dirigentes.

"No momento da adesão ao plano, o regime de tributação escolhido pelo participante foi o regressivo definitivo, em que a alíquota de incidência de imposto de renda é variável conforme o prazo de acumulação. Considerando que o participante fez um aporte único, em 6 de junho de 2014, será contado a partir desta data o prazo de acumulação, que por sua vez definirá a alíquota de imposto de renda incidente sobre a base de cálculo", informou o BrasilPrev.

A empresa informou que o regime de tributação escolhido para o plano VBGL individual ‘no momento da adesão foi o regime progressivo compensável, em que os resgates têm a incidência de IR na fonte, feita com base na alíquota única de 15%, de forma antecipada, com posterior ajuste na declaração anual de IR’.

Fonte : Estadão.

Leia Ja.

Comentários (0) e Compartilhar

Aliados de Alckmin veem ofensiva pró-Maia

Publicado em 22/07/2017 às 19h00

A ofensiva do DEM para atrair dissidentes de siglas como o PSB acendeu o sinal amarelo entre aliados do governador Geraldo Alckmin. Os partidários do paulista viram na articulação mais do que uma tentativa do Democratas de suplantar o PSDB no Congresso. Acham que, com o movimento, o DEM visa desidratar potenciais aliados de Alckmin para a disputa de 2018 na tentativa de fortalecer eventual candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao Planalto.
 
A desconfiança sobre o DEM acabou fortalecendo o discurso de tucanos que pregam a manutenção do apoio a Michel Temer. Eventual queda do presidente, dizem, deixaria Maia com a faca e o queijo na mão para vitaminar seu partido e negociar com outras legendas.

O alarde do PSDB e do PMDB com a articulação estimulou dirigentes do DEM a minimizarem o potencial da ofensiva sobre outras siglas. A ordem é não chamar mais atenção para o assunto.

Fonte:Folha de S. Paulo - Por Painel.

 Blog do Magno Martins.

Comentários (0) e Compartilhar

Nesta sexta-feira (21) a Caravana da Biometria aconteceu no município do Cabo de Santo Agostinho

Publicado em 22/07/2017 às 18h00
TRE-PE - Caravana Biometria Cabo de Santo AgostinhoA caravana da Biometria comanda pelo presidente da comissão de biometria, Eduardo Lucas, nesta sexta-feira (21), foi no município do Cabo de Santo Agostinho.
O município do Cabo de Santo Agostinho tem 162.214 mil eleitores, desse total, 40.092 já foram atendidos, ou seja, 24,77% do eleitorado. A biometria da cidade começou em fevereiro de 2017, e são atendidos cerca de 4.000 eleitores semanalmente. O horário de funcionamento é das 7 às 16h.
 
No cartório eleitoral são 12 kits em funcionamento e o no posto que fica na Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho são 11 kits.
 
O agendamento deve ser realizado através do site do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco, através do link http://www.tre-pe.jus.br/eleitor/solicitar-agendamento. É necessário levar comprovante de residência, documento oficial com foto, como RG, Carteira de Habilitação, Carteira de Trabalho e Certidão de Reservista.
 
Caso o eleitor não compareça para o recadastramento, terá seu título cancelado e acarretará restrição no CPF, perdendo benefícios de programas sociais como o Bolsa Família e não poderá fazer matrículas em instituições de ensino, nem obter passaporte ou assumir cargos públicos. 
 

Fonte :TRE-PE.

Comentários (0) e Compartilhar

Paulo inaugura escola na Zona Rural do Sertão do São Francisco

Publicado em 22/07/2017 às 17h00
Paulo Câmara entregou escola em distrito de Afrânio
Paulo Câmara entregou escola em distrito de AfrânioFoto: Gilberto Prazeres/SEI

No mesmo dia em que o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), aportou em Petrolina, no Sertão, para liberar recursos para a área, o governador Paulo Câmara (PSB) visitou outro município da região para entregar a Escola Estadual Cláudio Rodrigues Galindo, no distrito de Cachoeira do Roberto, em Afrânio, nesta sexta-feira (21). 

A unidade terá capacidade para atender 720 estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano), Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

"Vir ao Sertão do Francisco para inaugurar algo tão importante como uma escola com uma estrutura como essa é muito gratificante. Investimos muito em educação, em todos os cantos do Estado, para construir um futuro que dialogue com o que queremos para a nossa população e para Pernambuco. Eduardo Campos iniciou um caminho que se mostra cada vez mais acertado. Deixamos as últimas colocações do IDEB para a primeira posição trabalhando dessa forma", ressaltou o governador.


Com investimento de R$ 1,2 milhão, recursos oriundos do Tesouro Estadual e da União, através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a nova escola tem seis salas de aula, sala de leitura, sala de informática, recreio coberto, cozinha com despensa, área de serviço, banheiros, depósito, secretaria, arquivo, almoxarifado e diretoria.

Fonte : Blog da Folha de PE.

Comentários (0) e Compartilhar

left show fwR|left tsN uppercase fwB|left show fwB fsN uppercase|bnull|||login news fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR c15 fsI|b01 c05 bsd|login news c10|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|b01 normalcase bsd c05|content-inner||