Blog

Copergás, o Pernambuco do primeiro mundo

Publicado em 22/08/2019 às 12h00
Coluna da quinta: Copergás, o Pernambuco do primeiro mundo

Criada em 1992, no auge do Governo Joaquim Franciso, a Companhia Pernambucana de Gás – Copergás –, empresa de economia mista, que tem como sócios o Governo do Estado de Pernambuco, a Petrobras Gás S.A – Gaspetro e a Mitsui  Gás e Energia do Brasil vive seu melhor momento.

Hoje opera num volume médio superior a 4,8 milhões de metros cúbicos/dia, é uma das cinco primeiras do Brasil em movimentação de gás natural. Sob o comando do competente André Campos, a empresa fechará 2019 com números recordes.

A Copergás é de fato o Pernambuco do primeiro mundo. Com uma folha de pessoal técnica e enxuto de apenas 160 colaboradores, a empresa tem baseado seu modelo de gestão nos padrões internacionais. Quem visita a sede fique impressionado com a estrutura e a alta qualidade da gestão.

O planejamento da estatal entra num processo de interiorização dos ramais dos dutos de gás para diversas regiões do Estado. Destaque para a chegada do gás canalizado em Carpina seguindo até Nazaré. Além do estudo recente encomendado pelo presidente André Campos para a ampliação da rede que sai de Glória do Goitá chegando a Limoeiro.

Os prefeitos sabem do peso que tem o gás na atração de indústrias para suas cidades. A cidade da Vitória de Santo Antão é a prova disso. E a Copergás vem fazendo o dever de casa e diferente de outras ares do Governo lá tem recursos pra executar.

TENTOU – O deputado federal Carlos Veras correu, correu, mas não conseguiu viabilizar seu nome para assumir o comando do PT em Pernambuco. Assim como o senador Humberto Costa, que antes havia lançado Carlos Goiana, ambos tiveram que se render a força do deputado Doriel Barros que teve o apoio do Governo.

PETISTAS– No contraponto a Doriel, as deputadas Marília Arraes (federal) e Teresa Leitão (estadual) e a tendências Articulação de Esquerda (AE), Coletivo PT Militante, lançarão uma outra chapa de olho na qualidade de dirigentes nesta quinta. Até porque a eleição deste ano os filiados só votarão nos presidentes municipais e nas chapas estadual e nacional, ou seja, só vão decidir mesmo a local.

RÁPIDAS

LANÇAMENTO – No próximo dia 5 de setembro, o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) lançará no Recife seu mais novo livro “50 formas de amar. Uma é matar”. O evento será no Arcádia de Boa Viagem.

ALIANÇA – Pesquisa aponta o nome do ex-prefeito de Aliança, Azoka Gouveia forte no páreo na cidade. Aliança vai viver mais uma vez a polarização entre Azoka e Xisto Freitas, que também não pode ser subestimado. Vai ter eleição!

DE OLHO NA VICE – Após especulações que o filho do deputado Henrique Queiroz seria o indicado para ser vice de Aglailson Jr na eleição do próximo ano em Vitória. Uma fonte revelou que ‘vai ser o próprio ex-deputado estadual!’, caso Aglailson tenha coragem.

PINGA-FOGO: Quando a Oposição no Recife vai parar de bater cabeça?

Fonte :Blog do Elielson Lima.

Comentários (0) e Compartilhar

Aroldi vai ao Senado para reforçar necessidade de inclusão dos Municípios na Reforma da Previdência

Publicado em 22/08/2019 às 11h00

21082019 Aroldi senador Alvaro DiasParalelamente à tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, da Reforma da Previdência, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal, o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, tem se reunido com os senadores para reforçar a necessidade de inclusão dos Municípios no texto da PEC. Nesta quarta-feira, 21 de agosto, o líder municipalista conversou com parlamentares e assessores para sensibilizá-los sobre a economia que a inserção desses entes vai trazer às finanças municipais e pediu o apoio dos congressistas.

A CNM segue atuando para que os Municípios sejam reincluídos na proposta durante a tramitação no Senado. Como está hoje, o texto aprovado em 1º turno na Câmara dos Deputados leva as novas regras previdenciárias apenas para os Municípios que estão no Regime Geral de Previdência Social (RGPS) – 3.550 no total. Em reunião com o relator da PEC, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), no início deste mês, Aroldi apresentou panorama completo referente à situação previdenciária nos Municípios brasileiros.

O presidente da CNM apontou a economia que pode ocorrer com a inclusão dos Entes que possuem Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) na reforma. “Os 2.108 Municípios com regime próprio somam 70% dos servidores [municipais]. Só para eles a economia será de R$ 170 bilhões em dez anos”, alertou o líder municipalista. O relator demonstrou ser favorável à reinclusão dos Municípios ao texto da PEC. “Estamos basicamente de acordo [com a inclusão], nossa proposta é essa”, disse Jereissati na oportunidade.

Audiências públicas

Em audiência pública na CCJ realizada na terça-feira, 20 de agosto, o relatou reforçou o posicionamento favorável à inclusão de Estados e Municípios. “Os Estados e Municípios, como foi bastante dito aqui, se não entrarem, primeiro, vão continuar com um déficit gigantesco; e, segundo, vai ficar uma reforma capenga. Eu queria, portanto, dizer isto com muita clareza: no que depender da minha opinião, nós vamos colocar Estados e Municípios”, adiantou Jereissati.21082019 Aroldi senador WellingtonTramitando na CCJ, o texto da PEC está em fase de discussões entre os parlamentares e convidados com a realização de várias audiências públicas. Serão, ao todo, 46 convidados. Como entidade representativa dos 5.568 Municípios brasileiros e por acreditar na relevância de envolver todos os Entes da Federação na pauta - que deve tramitar com celeridade na Casa -, a CNM está tentando com a presidente do colegiado, senadora Simone Tebet (MDB-MS), ser incluída na lista de convocados. O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) apresentou requerimento de participação. 

Além da articulação presencial no Congresso, a Confederação conta com os gestores para entrar em contato por telefone com os senadores, principalmente os membros da CCJ, para que eles levem a discussão acerca da inclusão dos entes no texto para a Comissão.


Fonte : Agência CNM de Notícias.

Comentários (0) e Compartilhar

Doriel não será candidato único

Publicado em 22/08/2019 às 10h00
Coluna Fogo Cruzado – 22 de agosto

                                               Foto: Divulgação

Em que pese contar com o apoio do senador Humberto Costa, o deputado Doriel Barros não será candidato único à presidência regional do PT, segundo garante a também deputada Teresa Leitão que lidera um grupo do qual fazem parte a deputada federal Marília Arraes, o atual presidente Glaucus Lima, a vereadora de Petrolina Cristina Costa e o ex-vereador recifense Múcio Magalhães. Teresa garante que “o colégio eleitoral dos delegados ainda não está eleito”, e que só será possível conhecê-lo após os congressos municipais, agora em setembro, nos quais serão escolhidos os delegados ao congresso estadual. “Estamos compondo uma chapa, dentre as cinco inscritas ao PED estadual, e vamos ver o que a eleição do dia 8 de setembro vai revelar”, afirma a deputada. Diz também que o debate interno que deseja fazer não é simplesmente de “oposição” versus “situação”, “maioria” versus “minoria”, e sim em torno dos desafios que o PT irá enfrentar nas eleições do próximo ano. “Temos que dizer qual o PT que queremos para enfrentar esse desafio: se é um PT submisso ou um PT protagonista”. Seja submisso ao Governo do Estado, ou não, o PT que sair do próximo congresso continuará com o mesmo discurso pobre e fofo com o qual convive hoje: “Lula livre”. Como se apenas a liberdade do ex-presidente fosse suficiente para resolver os problemas do país. 

Vai passar 

A chapa “Força militante - Lula livre”, de oposição a Doriel Barros (PT), será lançada nesta quinta (22), às 18h, no Sindsep. Ela tem o apoio das tendências “Articulação de Esquerda”, “Coletivo PT Militante”, “Democracia Socialista”, “Esquerda Popular Socialista”, “Resistência Socialista” e “Tribo”, além de Marília Arraes e Teresa Leitão.

Discursos opostos

Quem ouviu a palestra do secretário Décio Padilha (Fazenda) ontem de manhã na Assembleia Legislativa saiu com a certeza de que ele fala uma língua e o governador Paulo Câmara outra. O secretário é totalmente a favor da reforma da previdência, ao passo que o governador e seu partido (PSB) fecharam questão contra o projeto.

Todos no inferno

Do prefeito de Gravatá, Joaquim Neto (PSDB), na audiência pública da Alepe sobre a LDO de 2020 que contou com a participação do secretário da Fazenda: “A política não manda ninguém para o céu. Mas, sem ela, vamos todos para o inferno”. Ele queria saber de Padilha se o governo estadual ainda vai pagar as parcelas atrasadas do FEM.

Poder submisso

É de assombrar o grau de insatisfação que existe hoje na bancada governista da Alepe contra o governo Paulo Câmara e mais assombroso ainda o nível de submissão da Casa ao Palácio do Campo das Princesas. Não há um deputado satisfeito com o tratamento que recebe, mas nenhum deles tem coragem de ir à tribuna externar sua insatisfação.

Zero empenho

O principal motivo da insatisfação dos deputados estaduais com o Governo do Estado é o não pagamento das chamadas “emendas impositivas”. Hoje, cada parlamentar tem direito a cerca de R$ 1,5 milhão em emendas parlamentares para levar alguma “obrinha” para os seus municípios. Já estamos em agosto e nenhum real foi empenhado.

Remédio difícil

Paulo Câmara ainda pode entrar em campo para tentar conter uma eventual rebelião na bancada estadual contra o seu governo, mas com café da manhã, almoço ou jantar, em Palácio, não resolverá o problema. A tropa deseja o pagamento das emendas impositivas e a liberação das parcelas do FEM que o Estado deve aos municípios.

Reuniões inúteis

Depois que os governadores do Nordeste decidiram não querer negócio com Bolsonaro, suas reuniões mensais nas capitais nordestinas tornaram-se inúteis. Ficam todos falando para eles mesmos, como se tivessem força para se contrapor ao poder central. Paulo Câmara percebeu isto e não foi ontem à de Teresina. 

Fonte :Blog de Inaldo Sampaio.

Comentários (0) e Compartilhar

Senado aprova Liberdade Econômica sem trabalho aos domingos

Publicado em 22/08/2019 às 09h00
Plenário do Senado aprova MP da Liberdade Econômica
Marcos Oliveira/Agência Senado - 18.6.2019
 

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira (21) o texto da Medida Provisória da Liberdade Econômica, mas derrubou a autorização para o trabalho aos domingos e feriados.

Essa permissão, que havia sido aprovada na Câmara dos Deputados, era defendida pelo governo, mas causou polêmica nas discussões do Senado. Como a MP perde a validade na próxima terça-feira (27), o governo preferiu recuar e concordar com a retirada da autorização para garantir a votação da medida a tempo.

O texto aprovado na Câmara autorizava o trabalho aos domingos e feriados irrestritamente e previa uma folga aos domingos por mês. Atualmente, o trabalho aos domingos depende de acordos e convenções de cada categoria.

No comércio, por exemplo, há em algumas localidades permissão para o trabalho, desde que haja uma folga a cada três domingos. Senadores já tinham anunciado nos bastidores um acordo para aprovar a Medida Provisória da Liberdade Econômica retirando, porém, as mudanças feitas sobre o trabalho aos domingos.

O fim das restrições de trabalho aos domingos e feriados gerou polêmica e, após um acordo anunciado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), foi retirada do texto pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre, por não ter relação com o tema inicial da MP.

Dessa forma, como não há modificação nem acréscimo ao texto, mas, uma supressão, o texto não tem de voltar para a Câmara. "Os senadores e senadoras construíram entendimento para a votação desta medida provisória tão importante para o Brasil. É uma medida provisória que destrava a relação empresarial e que sem dúvida será uma mola propulsora do desenvolvimento, do crescimento e especialmente da geração de emprego", comemorou Alcolumbre.

Fonte: por Agência Estado.

Comentários (0) e Compartilhar

Felipe desabafa e ataca Bolsonaro

Publicado em 22/08/2019 às 08h00

Tão logo foi acusado pelo Governo de celebrar contratos milionários na era petista, o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, não encarou o assunto nem mesmo no programa Roda Vida. Falando, ontem, no entanto, com exclusividade, no Frente a Frente, Felipe disse que nunca recebeu um tostão como advogado de forma ilegal e classificou o contra-ataque como uma “indústria de notícias falsas”.

O líder dos advogados em plano nacional vai mais além e diz que a intenção do presidente é manchar a imagem da OAB e atacar sua família por uma visão torpe, de má fé. “Não recebo pensão do Governo, meus contratos são todos regulares”, enfatizou.

Quanto à versão de Bolsonaro, de que o pai (Fernando) ter sido morto pelos próprios colegas da Ação Popular (AP), Felipe afirmou ser uma mentira deslavada e que seu pai, na verdade, foi morto pelos militares, conforme arquivos em poder das Forças Armadas e da Polícia Federal.

Cidadão olindense – Felipe Santa Cruz, embora carioca da gema, se considera pernambucano, filho de pernambucanos e casado com uma pernambucana. O presidente da OAB vai virar, primeiro, cidadão de Olinda por proposição do vereador Marcelo Soares (PCdoB). A entrega da outorga, segundo Soares, está marcada para o próximo mês e deve se transformar num evento nacional.

Foi lá – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (sem partido), que reclama do tratamento discriminatório do Governo estadual, fez questão, na condição de anfitrião, de bater ponto na abertura, ontem, em sua cidade, do seminário “Todos por Pernambuco”. Mas não deixou de mandar seu recado pelas redes sociais. “Continuamos abertos a parcerias”, escreveu no Instagram.

Repercussão – Entre as empresas na lista de privatizações anunciadas, ontem, pelo Governo, aparece a CBTU, que interfere na vida do cidadão recifense. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos controla os sistemas de transporte de passageiros em cinco regiões metropolitanas, incluindo o Recife. A CBTU tornou-se empresa pública em 21 de junho de 2018, após assembleia extraordinária.

O melhor – Não foi só o deputado Lucas Ramos (PSB) que lamentou, em discurso na Alepe, a saída do presidente da Compesa, Roberto Tavares. Em Brasília, em pronunciamento, o líder do PSD na Câmara, André de Paula, disse que Tavares foi, de longe, o melhor presidente da estatal.

Mãe joana – O Governo Bolsonaro está virando vitrine para o mundo artístico. Na Embratur, em seu gabinete, o presidente Gilson Neto tocou sanfona e cantou com Bruno e Marrone. No Palácio, o padre Periquito, de Goiás, soprou berrante e ainda fez memes na frente do presidente.

CALUMBI – A vice-governadora Luciana Santos (PCdoB) foi a Calumbi, no Pajeú, para dar o start da pré-candidatura da vereadora Maria de Lourdes à Prefeitura nas eleições do ano que vem. No pleito passado, Lourdes apoiou a prefeita Sandra da Farmácia (PT), mas rompeu e é forte adversária.

Perguntar não ofende: Quanto Petrolina, administrada por gestor não aliado a Paulo Câmara, recebeu, ontem, do Todos por Pernambuco?

Fonte : Blog do Magno Martins.

Comentários (0) e Compartilhar

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||