Blog

PDT pode ficar com Marília Arraes e indicar José Queiroz na majoritária

Publicado em 20/07/2018 às 11h00

O PSB estabeleceu um diálogo muito forte com o presidenciável Ciro Gomes no sentido de formalizar uma aliança nacional, inclusive o governador Paulo Câmara o recebeu no Palácio do Campo das Princesas recentemente dando demonstrações de que a aliança poderia avançar. Na reta final, com o aceno de Paulo Câmara a Lula e ao PT, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, ficou muito chateado com a postura do governador, que na sua ótica estava agindo como biruta de aeroporto, e decidiu que só haverá aliança em Pernambuco se o PSB integrar a coligação nacional de Ciro, fato que no momento está difícil de se consolidar, pra não dizer impossível.

A insatisfação de Lupi trouxe um elemento importante para a equação em Pernambuco, pois ele poderá levar o PDT a apoiar a candidatura de Marília Arraes, que por sua vez estará com a incumbência de representar dois palanques de esquerda em Pernambuco, o do PT e o do PDT. Ao partido caberia a indicação de um nome para a majoritária, que seria o ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz.

Tem pesado a favor da aliança os votos de legenda que Marília Arraes poderá garantir para a sua coligação, permitindo que sejam eleitos de cinco a seis deputados federais. É possível que a candidatura de Marília permita que um deputado federal seja eleito com a menor quantidade de votos dentre as três principais coligações e isso beneficiaria Wolney Queiroz, que precisa renovar o mandato e gostaria de integrar uma chapa que necessitasse de menos votos do que a Frente Popular.

A entrada do PDT na coligação de Marília Arraes além de consolidar o molho de esquerda que ela tem conquistado a cada momento, lhe daria mais tempo de televisão, uma vez que o PDT é um partido médio que agregaria alguns segundos para a apresentação do projeto dela na TV e no rádio. Se confirmada a chegada do PDT para a coligação de Marília Arraes, ficará evidenciada a fragilidade do PSB, que namorou com Ciro e com Lula e acabou perdendo os dois partidos para a oposição.

Retomada – Os partidos que integram a Frente Popular retomaram as negociações para lançar uma chapinha para deputado federal. A reunião ocorreu na sede do PP com a presença dos deputados Eduardo da Fonte, Kaio Maniçoba, Wolney Queiroz e João Fernando Coutinho, e ficou decidido que no dia 3 de agosto eles terão nova reunião para oficializar uma possível chapinha de federal.

Competitividade – Após oficializar o apoio do centrão, incluindo DEM, Solidariedade, PR e PP, Geraldo Alckmin ganhou significativa competitividade na disputa pelo Palácio do Planalto. Alckmin terá o maior tempo de televisão dentre os presidenciáveis e contará com Josué de Alencar, filho do ex-vice-presidente José de Alencar, na vaga de vice.

Avaliação – No meio político o sentimento generalizado é o de que Armando Monteiro perdeu a posição de antagonista de Paulo Câmara para Marília Arraes. Alguns ousam arriscar que Armando minguará no decorrer da eleição, porque não está conseguindo sair da pecha de candidato do palanque de Temer.

Julio Lossio – O pré-candidato a governador Julio Lossio segue dialogando com atores de todo o estado para consolidar sua candidatura ao Palácio do Campo das Princesas pela Rede Sustentabilidade. Ex-prefeito de Petrolina por duas ocasiões realizando gestões bem-avaliadas, Lossio aposta na fadiga do político tradicional para impulsionar o seu projeto como candidato a governador.

RÁPIDAS

Apoio – A pré-candidata a deputada estadual Edilene Gomes, filiada ao PRP, esposa do prefeito de Escada Lucrécio Gomes, declarou apoio a Lula em sua pré-candidatura para presidente. Edilene tem se movimentado bastante nos últimos dias e além de forte votação no seu município, Escada, tem conseguido avançar bem com apoios para sua candidatura em toda Mata Sul.

Federal – O ex-prefeito de Inajá, Leonardo Martins, oficializou que será candidato a deputado federal pelo PROS. Ele estava alinhando uma candidatura a deputado estadual, mas depois decidiu que o melhor caminho era tentar uma vaga na Câmara dos Deputados deixando o primo Claudiano Filho disputando sozinho o mandato de deputado estadual. No fim, ambos saíram no lucro, pois os dois possuem chances de vitória em outubro.

Inocente quer saber – Eriberto Medeiros terá adversários na disputa pela presidência da Assembleia Legislativa de Pernambuco?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Comentários (0) e Compartilhar

Apoio a Ciro regride e 'Centrão' se aproxima de Alckmin nas eleições

Publicado em 20/07/2018 às 10h00

O bloco dos partidos do Centrão adiou para próxima semana o anúncio de quem o grupo apoiará nas eleições 2018. Nesta quinta-feira (19), as siglas se aproximaram de uma aliança com o tucano Geraldo Alckmin, que possui preferência no bloco formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade. Em público, porém, o discurso é de que existe uma divisão equilibrada com o pedetista Ciro Gomes, mas dirigentes do PP afirmaram que o acordo com o tucano já foi fechado.

Até a semana passada, antes da adesão do PR, Ciro tinha mais força e a preferência de pelo menos dois presidentes dos partidos. Porém, recentes declarações polêmicas de Ciro provocaram desgaste e receio nos partidos, como um xingamento a uma promotora de Justiça, na ação movida por injuria racial em declaração crítica ao vereador paulistano Fernando Holiday, do DEM. Além disso, há resistência a propostas econômicas do pedetista, como mostrou reportagem do jornal O Estado de S. Paulo na edição desta quinta-feira.
 
Ciro Gomes está em Brasília, mas os principais integrantes do bloco viajaram a São Paulo para conversar com Alckmin. Mais cedo Alckmin desmarcou de última hora compromissos que tinha no interior de Minas Gerais e permaneceu na capital paulista para a reunião. Nesta quarta-feira, o tucano recebeu indicativo de aliança formal do PTB, partido que está no cerne do escândalo do Ministério do Trabalho, mas evitou críticas e defendeu que bons quadros de todos os partidos participem do governo - discurso que agrada aos dirigentes do Centrão. A chegada do PR ao grupo também favoreceu Alckmin.
 
Há a possibilidade de adesão ainda de partidos menores ao bloco, como PHS e Avante (antigo PTdoB) - parlamentares dos dois partidos foram ao encontro matinal na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "É possível (a adesão)", disse o presidente do DEM, ACM Neto, também prefeito de Salvador.
 
Os partidos adiaram a decisão sob justificativa de que cada legenda irá realizar consultas internas nos próximos dias para anunciar publicamente uma decisão comum na semana que vem. Os tucanos foram avisados de que o prazo seria a próxima quinta-feira.
 
"Progressistas, PR, PRB, Democratas e Solidariedade reafirmam a união e o compromisso de construir um projeto comum para as eleições deste ano. O momento é de ponderar, em conjunto, o melhor caminho para o futuro do Brasil. Ciente dessa responsabilidade e do papel que o Centro Democrático vai desempenhar nesta eleição, cada partido vai realizar consultas internas nos próximos dias com o propósito de anunciar publicamente uma decisão comum na semana que vem", diz a nota conjunta.
 
Em jantar na noite desta quarta-feira, o grupo reafirmou a união no bloco e indicou o empresário Josué Gomes (PR), da Coteminas, como pré-candidato a vice-presidente e representante dos partidos.
 
O presidente do PRB, ex-ministro Marcos Pereira (Indústria), disse que não houve consenso no grupo, nem avanço na articulação. Ele também descartou um acordo nessa semana em prol do tucano ou do pedetista: "Sem consenso, vai longe ainda".
 
Também estiveram no café da manhã os deputados Marcelo Aro (PHS-MG), Luís Tibé (Avante-MG), Bebeto (PSB-BA), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Paulinho da Força (SD-SP), o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR).
 
Fonte:AE.
Diario de PE.
Comentários (0) e Compartilhar

Delgado até toparia se não fosse tão tarde

Publicado em 20/07/2018 às 09h00

Júlio Delgado foi um dos maiores entusiastas da candidatura de Eduardo Campos 

O deputado Júlio Delgado, do PSB de Minas Gerais, foi um dos maiores entusiastas da candidatura de Eduardo Campos a presidente da República em 2014 por achar que o partido tinha que ter naquela eleição candidato próprio ao Palácio do Planalto. Morto o ex-governador, ele se engajou na campanha de Marina Silva, no primeiro turno, e na de Aécio Neves, no segundo. No início deste ano, foi um dos parlamentares que convenceram o ex-ministro Joaquim Barbosa a se filiar ao PSB para ser candidato a presidente. Como o ex-ministro não topou, o partido ficou sem rumo. Alguns líderes defendem o apoio a Geraldo Alckmin como o governador de São Paulo, Márcio França, outros desejam marchar com Ciro Gomes como o ex-prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, uma terceira corrente pretende apoiar Lula como o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e um núcleo menor advoga a neutralidade. Delgado considera difícil obter-se o consenso num cenário de tanta divisão e admitiria ele próprio ser o candidato se o partido o tivesse convidado no início do ano. Agora, faltando menos de três meses para as eleições, ele acha que seria um “risco” o PSB lançar-se na disputa com chapa própria. Recebeu como uma “grande homenagem” o fato de seu nome ter sido lembrado por lideranças de outros estados e encarou com naturalidade a afirmação do presidente do PSB de Minas, João Marcos Lobo, de que “o melhor nome para enfrentar a crise é Ciro Gomes”.

De 30 não passa

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, marcou para o próximo dia 30 a reunião do diretório nacional para definir o rumo do partido na eleição presidencial. A convenção será no dia 5/8 sem que se saiba até agora para onde o partido irá pender. Estão descartados Alckmin (PSDB), Lula (PT) e Marina Silva (Rede). Mas Ciro Gomes (PDT) continua cotado.

A pressa – O direitista MBL (Movimento Brasil Livre) está tão ansioso para ver Lula fora da disputa presidencial que requereu sua inelegibilidade no TSE antes mesmo de o PT pedir o registro. A presidente Rosa Weber (TSE) não tinha outra saída a não ser negar o pedido.

Dupla pena – A população dos municípios pernambucanos que tiveram agências bancárias explodidas sofre duplamente: com a falta de segurança e de serviços bancários. É triste saber que muitas cidades estão há três anos sem agências porque os bancos não querem reabrir as que foram arrombadas.

Voto livre – Apesar de a executiva nacional do PTB ter aprovado, por unanimidade, o apoio a Alckmin (PSDB) para presidente da República, essa posição não será seguida pela secção de Pernambuco, cujo presidente, Armando Monteiro, deverá recomendar a neutralidade..

Em branco – Caso o MDB, na sua convenção nacional, decida apoiar Henrique Meirelles para presidente da República, ele vai passar em branco em Pernambuco. É que o vice-governador Raul Henry e o deputado Jarbas Vasconcelos já anunciaram o apoio a Alckmin (PSB).

Pré-campanha – A candidata a governadora Marília Arraes (PT) estará amanhã e sábado em São José do Egito para cumprir uma série de compromissos ao lado do ex-prefeito Romério Guimarães (PT). Ela só não fará uma visita à feira, como costumava fazer seu avô, Miguel Arraes, para não ser acusada pelo Ministério Público de “campanha eleitoral antecipada”.

Fonte :Blog de Inaldo Sampaio.

Comentários (0) e Compartilhar

Eriberto Medeiros será candidato de consenso para substituir Guilherme Uchoa na Alepe

Publicado em 20/07/2018 às 08h00
Eriberto Medeiros (PP) (Foto: Rinaldo Marques/Alepe)
Eriberto Medeiros (PP) (Foto: Rinaldo Marques/Alepe)

O deputado estadual Eriberto Medeiros, do PP, será anunciado, na próxima segunda-feira, às 15 horas, pelo partido, como o candidato a presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Alepe), para o mandato tampão criado com o falecimento do ex-presidente Guilherme Uchoa, do PSC.

A situação de consenso foi criada depois que o presidente do PP, deputado federal Eduardo da Fonte, recuou na indicação do deputado estadual Cleiton Collins para ocupar a presidência da casa. Havia forte resistência entre os parlamentares ao nome do pastor e político. O governo do Estado também não aceitava a indicação.

O recuo foi decidido nesta semana, em um encontro que selou o acordo, entre Eduardo da Fonte, Collins e Eriberto Medeiros.

Depois do entendimento, já na terça-feira, a mesa diretora da Casa deve marcar a eleição para a escolha do novo presidente para o dia 1º de agosto. A sessão ordinária será realizada às 10 horas e a eleição propriamente dita ocorrerá às 15 horas da mesma quarta-feira.

Na pacificação entre os parlamentares, Eriberto Medeiros levou uma vantagem pelo fato de ser candidato a deputado federal pelo PP e manter esta disposição, de modo a não ameaçar bases dos aliados ou adversários, quando assumisse o posto de presidente. Assim, hoje, ele é o candidato único para a disputa. O acordo foi construído ao longo desta semana que passou.

Como ocupa hoje o posto de 4º secretário da Alepe, haverá outra eleição para a recomposição da mesa diretora neste mandato tampão. Há busca de consenso com a oposição nesta nova vacância também.

Fonte:Blog do Jamildo.

Comentários (0) e Compartilhar

TSE divulga limites de gastos de campanha e de contratação de pessoal

Publicado em 20/07/2018 às 05h30
TSE divulga limites de gastos de campanha e de contratação de pessoal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou no dia 28 de junho, em seu Portal na internet, os tetos de gastos de campanha eleitoral por cargo eletivo e os limites quantitativos para contratação de pessoal a serviço das campanhas nas Eleições 2018.

Os tetos de gastos de campanha para os cargos de deputado federal e deputado estadual/distrital foram fixados em valores absolutos pela última reforma eleitoral promovida pela Lei nº 13.488, de 6 de outubro de 2017, sendo de R$ 2,5 milhões para deputados federais e R$ 1 milhão para deputados estaduais e distritais.

Já para os cargos de governador de Estado e de senador da República, os limites de gastos vão variar de acordo com o eleitorado da respectiva unidade da Federação. Por exemplo, nos estados com até um milhão de eleitores, as campanhas para o governo estadual devem respeitar o teto de R$ 2,8 milhões.

Contratação de pessoal

A campanha eleitoral de cada candidato deverá seguir legislação específica acerca dos limites quantitativos para a contratação direta ou terceirizada de pessoal para a prestação de serviços referentes a atividades de militância e mobilização de rua.

Os quantitativos para as Eleições Gerais de 2018 foram calculados por unidade da Federação, em conformidade com a regra fixada pelo art. 100-A da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições).

Os limites de gastos de campanha eleitoral e de contratação de pessoal para o pleito deste ano podem ser consultados no Portal do TSE.

Fonte:TSE.

Comentários (0) e Compartilhar

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||