Aliados de ex-presidente conduzem acordo com delegado

Publicado em 07/04/2018 às 11h00

Segundo petistas, por volta das 15h a PF foi informada que Lula não se entregaria em Curitiba, contrariando a ordem de prisão assinada pelo juiz da 13º Vara da cidade, Sérgio Moro / Foto: AFPSegundo petistas, por volta das 15h a PF foi informada que Lula não se entregaria em Curitiba, contrariando a ordem de prisão assinada pelo juiz da 13º Vara da cidade, Sérgio Moro

Foto: AFP
Estadão Conteúdo
 

Conhecida a decisão de Luiz Inácio Lula da Silva de não se apresentar à Justiça, advogados do ex-presidente e a direção do PT abriram um canal de negociação com a cúpula da Polícia Federal. O responsável pelo primeiro contato foi o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, que cancelou uma viagem para a Espanha e passou toda a sexta-feira (6) na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, onde Lula está desde a noite de quinta-feira (5). A partir de então, as negociações foram conduzidas, pelo lado de Lula, por três pessoas cujos nomes não foram divulgados.

Em nome da PF, as conversas foram lideradas pelo delegado Igor Romário de Paulo. Diante do impasse, ele afirmou que a possibilidade de entrar à força no sindicato era "remota". "A prioridade é evitar confronto, o que faria inflar ainda mais os ânimos", disse.

Segundo petistas, por volta das 15h a PF foi informada que Lula não se entregaria em Curitiba, contrariando a ordem de prisão assinada pelo juiz da 13º Vara da cidade, Sérgio Moro. Os emissários do ex-presidente alegaram falta de tempo hábil para viabilizar a viagem.

Na verdade, foi uma decisão política. Lula não queria passar a impressão de ter se "curvado" ao juiz Moro e à força tarefa da Lava Jato. Além disso, movimentos sociais que participaram das mobilizações em defesa de Lula fizeram chegar ao ex-presidente posicionamento contrário à rendição do petista. Alguns deles disseram que estariam dispostos a resistir fisicamente ao cumprimento do mandado de prisão. 

Pessoas que participaram das conversas disseram que a radicalização de aliados do ex-presidente faria parte de uma estratégia para tentar apressar o julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) sobre a prisão em segunda instância no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com estas fontes, o fim da prisão em segunda instância interessaria a adversários políticos do ex-presidente Lula tanto no Congresso quanto no governo. 

Segundo relatos que pessoas que estiveram com o ex-presidente, Lula teria alternado momentos de emoção e até choro. Apesar da expectativa, ele acabou não discursando em um carro de som no local.

Negociações prosseguem

As negociações da Polícia Federal com a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda "seguem" nesta manhã (7), segundo a Superintendência do órgão em Curitiba.

Os agentes na capital paranaense ainda não falam em definição sobre a prisão do petista, apesar do noticiário dando conta de que Lula pode se entregar após a missa em memória da ex-primeira-dama Marisa Letícia, em São Bernardo do Campo (SP).

Tropa de Choque

Desde a noite dessa sexta (6), o comando da Segurança Pública se preparou para a "resistência de Lula e dos petistas". Dois pelotões do 3º Batalhão da tropa de choque foram enviados pelo comandante-geral, coronel Nivaldo Restivo, para São Bernardo do Campo.

Eram cerca de 60 homens com um caminhão lançador de água com a ordem de atuar somente em caso de quebra da ordem e se o policiamento territorial não fosse suficiente para restabelecê-la.

Todos o restante do Comando de Policiamento de Choque permanecia em prontidão em São Paulo. Não havia ordem então para que a tropa capturasse o líder petista, mas sua presença na região do ABCD servia como um instrumento de dissuasão.

À tarde, o comando da Segurança Pública foi informado que Lula não ia se entregar. O ex-presidente só deixaria a sede do sindicato após missa em memória de sua mulher, dona Marisa Letícia, que deve se realizar hoje na sede do sindicato. O petista ainda tentava permanecer preso em São Paulo em vez de ser levado para Curitiba. 

Empossado nessa sexta-feira (6) no cargo, o governador Márcio França disse que "ordens judiciais são para ser cumprida". "A gente não pode achar bonito nem gostoso ter um ex-presidente da República com uma dificuldade desse tamanho. Mas ordens judiciais não são para ser discutidas, são para ser cumpridas", disse França.

Fonte: JC.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||