Efeito Inocêncio pode se repetir em 2018

Publicado em 05/06/2018 às 11h15

Nas eleições de 2006 o então deputado federal Inocêncio Oliveira deixou o PFL no sentido de ser candidato a governador, chegou a assinar filiação ao PMDB mas quando percebeu que os dois partidos apoiariam Mendonça Filho, então vice-governador que herdaria o cargo para disputar a reeleição, decidiu ingressar no PL, atualmente PR, para presidir o partido no estado.

Líder de dezenas de prefeitos, Inocêncio Oliveira pediu duas secretarias a Mendonça Filho para apoiá-lo, mas como não teve uma resposta positiva, decidiu romper com Mendonça para ser um dos primeiros apoiadores de Eduardo Campos, que estava desacreditado nas pesquisas. Aquele posicionamento de Inocêncio foi fundamental para dar a Eduardo a condição de disputa que ele precisava, tanto é que a vitória de Eduardo teve início pelo Sertão onde Inocêncio Oliveira era muito forte.

Na eleição deste ano, o governador Paulo Câmara está repetindo Mendonça Filho e desconsiderando o peso de Sebastião Oliveira, que tem força semelhante a que Inocêncio tinha naquela época, e de Eduardo da Fonte que além de ter votos, tem também um partido importante e com tempo de televisão. Juntos, PR e PP têm votos e tempo de televisão para contribuir com Paulo Câmara se ficarem na Frente Popular ou atrapalhá-lo se decidirem migrar para o projeto liderado por Armando Monteiro.

Está óbvio que assim como Inocêncio naquela época que queria uma atenção de Mendonça Filho, Sebastião e Eduardo querem que Paulo Câmara reconheça o peso político e eleitoral de ambos destinando pelo menos uma vaga na chapa majoritária. Juntos, eles têm potencial para 500 mil votos caso sejam candidatos a federal, se forem para a oposição se elegem e ajudam a eleger mais um deputado federal somente com seus votos, tirando três vagas da Frente Popular e garantindo para a oposição.

Se naquela ocasião o apoio de Inocêncio Oliveira tirou Eduardo da condição de candidato desacreditado, o apoio de PR e PP a Armando Monteiro daria o molho que falta para a eleição ser mais acirrada. É importante que Paulo Câmara abra o olho e valorize os dois quadros sob pena de sofrer o que Mendonça sofreu em 2006 e depois dizer que ninguém avisou.

Aposta – Um importante membro oposicionista acredita piamente que Marília Arraes vencerá a prévia do próximo domingo e Humberto Costa não terá a menor condição de melar o resultado para forçar o PT a apoiar a reeleição de Paulo Câmara. Ele disse ser capaz de apostar o que quisesse que Marília será candidata a governadora.

Maurício Rands – Apesar de muitos buscarem o cargo de vice de Paulo Câmara, há quem diga que Renata Campos já decidiu que o escolhido para o posto é Maurício Rands, que renunciou ao mandato de deputado federal em 2012. Rands está filiado ao PROS e herdaria o governo caso Paulo Câmara seja candidato em 2022.

Convite – O senador Armando Monteiro deverá convidar o colega senador Fernando Bezerra Coelho após a oficialização da sua pré-candidatura a governador para que ele seja o coordenador geral da sua campanha. Fernando exerceu papel semelhante na campanha de Eduardo Campos em 2006 e foi fundamental para a vitória do PSB naquela disputa.

Junior Uchoa – A pré-candidatura de Junior Uchoa (PSC) a deputado federal cresce a olhos vistos. Ele vem conquistando importantes apoios em todas as regiões do estado e deverá suplantar a casa dos 100 mil votos. O PSC deverá eleger dois deputados federais e busca emplacar sete deputados estaduais.

Vice – Há quem defenda que o vice de Armando seja uma mulher, de preferência jovem. Um nome que foi lembrado por um observador político foi o da pré-candidata a deputada estadual Fabiola Cabral. Ele faz essa avaliação, evidentemente no cenário de o PP, partido que ela está filiada, decidir apoiar o projeto de Armando Monteiro.

RÁPIDAS

Jeitoso – O pré-candidato a deputado estadual pelo Avante, João Paulo Costa estreou nos discursos durante ato de pré-campanha em Cachoeirinha ao lado do deputado federal João Fernando e do pré-candidato a senador Silvio Costa, e mostrou muita familiaridade com o microfone. João Paulo é filho de Silvio Costa e irmão de Silvio Costa Filho, dois excelentes oradores, e mostrou que a oratória está no DNA.

Prioridade – A ordem palaciana é fazer com que João Campos seja eleito deputado federal com expressiva votação. Alguns falam que ele terá 300 mil votos, outros mais comedidos dizem que ele tendo 200 mil votos estará de bom tamanho. A verdade é que João Campos por tudo que representa como herdeiro de Eduardo Campos não poderá se eleger com pouco voto.

Inocente quer saber – Marília Arraes sendo candidata será a próxima governadora de Pernambuco?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||