Fim das coligações já preocupa vereadores

Publicado em 09/11/2018 às 11h00

As eleições de 2018 trouxeram uma grande renovação na Câmara dos Deputados e nas Assembleias Legislativas, pois estava em jogo uma disputa sem o tradicional financiamento privado de campanha que sempre trouxe muita confusão. O resultado foram campanhas franciscanas que levaram muitos políticos tradicionais a perderem muitos votos em relação a 2014, com alguns deles a perderem o mandato.

Nas eleições de 2020 além do financiamento, os vereadores precisarão lidar com o fim das coligações proporcionais, que sempre emplacavam a maioria das cadeiras numa disputa eleitoral. Na eleição de 2016, 27 vagas de vereador do Recife ficaram com as coligações, e apenas 12 vagas foram distribuídas com partidos que fizeram chapa própria.

Naquela ocasião, dos partidos que não coligaram, destaque para o PP, que elegeu três vereadores, e para o PEN, que hoje é Patriota, que elegeu dois vereadores, enquanto PCdoB, Solidariedade, PTC, PSD, PSDC, PRP e PPS ficaram cada um com uma vaga. Dentre os que se coligaram, apenas PSB, PRTB, PT, PSDB, PSC e PRB teriam votos suficientes para eleger seus vereadores, os demais partidos, como PTB e MDB, por exemplo, não teriam elegido vereador se não houvesse as coligações.

O fato é que nas eleições de 2020, sem o advento das coligações, os partidos pequenos que já tiverem vereador de mandato perderão completamente sua atratividade, e os aspirantes a vereador terão que fazer a opção por partidos que possuem bancada grande e de preferência que tenham candidatos majoritários para fortalecer o voto de legenda e ajudar a eleger parlamentares.

Apesar de as conversas ocorrerem apenas reservadamente, muita gente não sabe o que fazer na Casa José Mariano, pois entrar em partido sem cauda há o risco de não disputar sequer as sobras e ficar sem o mandato, e se entrar em partidos que já possuem muitos vereadores, ficarem reféns de uma briga fratricida para ascender ao mandato. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Por isso já tem vereador fazendo as contas e avaliando que é melhor pendurar as chuteiras.

Passira – Presidente municipal do PSDB em Passira, Felipe Arruda construiu sua trajetória política ao lado de lideranças políticas como Sergio Guerra e Bruno Araújo. Ele tem sido incentivado por amigos e lideranças políticas da cidade para disputar a prefeitura do município em 2020, aproveitando a onda de renovação que se consolidou em 2018 e deverá se repetir na disputa municipal.

Presidência – Após a morte de Guilherme Uchoa ficou a sensação que a Assembleia Legislativa de Pernambuco não teria um nome que conseguisse pacificar a Casa. Porém, em menos de quatro meses no comando do legislativo, Eriberto Medeiros conquistou a confiança dos seus colegas e tornou-se um presidente com envergadura para o cargo. Cada dia que passa fica latente que após a saída de Guilherme, não haveria nome melhor para exercer a função do que Eriberto.

Quota – Com a nomeação de Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina na equipe ministerial do presidente eleito Jair Bolsonaro, e as movimentações de Rodrigo Maia para continuar comandando a presidência da Câmara dos Deputados, está latente que a cota do Democratas no governo está cada vez mais no limite, evitando que outros membros do partido sejam abrigados em postos-chave do governo.

Rifado – Filiado ao PP, que integra base do governador Paulo Câmara, Marinaldo Rosendo ficou na segunda suplência da sua coligação para deputado federal. Com dois nomes de dimensão para assumir secretaria, Augusto Coutinho e Sebastião Oliveira, as chances de Marinaldo seriam elevadas se ele não tivesse feito críticas contundentes ao governador durante a campanha. Setores palacianos avaliam que por seu comportamento em relação ao Palácio ele perdeu qualquer chance de assumir o mandato em Brasília na condição de suplente.

RÁPIDAS

Fernando Rodolfo – O deputado federal eleito Fernando Rodolfo (PHS) esteve novamente em Brasília para ambientar-se com a Câmara dos Deputados, onde assumirá mandato em fevereiro. Além de já articular liberação de emendas para municípios onde foi votado, o deputado eleito está trabalhando na formação da sua equipe na capital federal.

Referência – Chefe de gabinete do deputado federal e senador eleito Jarbas Vasconcelos, Aristeu Plácido é uma referência de Pernambuco na capital federal, ajudando a todos aqueles que chegam na cidade para destravar demandas de seus municípios. Aristeu já tem quase 30 anos de trabalho em Brasília e conhece a capital federal como a palma da sua mão.

Inocente quer saber – O governador Paulo Câmara trocará mesmo Márcia Souto da presidência da Fundarpe?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||