Guedes seria mais um a enrolar Paulo Câmara?

Publicado em 08/02/2019 às 11h00

Dos governadores que não votarem em Jair Bolsonaro, o primeiro a pedir audiência ao novo presidente da República foi o de Pernambuco, Paulo Câmara. O presidente não o recebeu, mas determinou ao ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, que o fizesse, já que a pauta de Pernambuco era a mesma de sempre: Transnordestina, transposição do São Francisco, Adutora do Agreste, recuperação das BRs que cortam o Estado, etc. Em seguida o governador pediu para ser recebido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar de dois pedidos de empréstimo, um no Banco Interamericano de Desenvolvimento e outro na Caixa Econômica Federal. Esse dinheiro (mais de R$ 1 bilhão) seria aplicado em obras de infraestrutura, já que o “azul e branco” está escasso e insuficiente para transformar o Estado num canteiro de obras tal qual ocorreu entre 2007 e 2013. Condições técnicas para endividar-se Pernambuco tem. Compromete apenas 7% de sua receita corrente líquida para o pagamento de suas dívidas (o limite é 13%) e deve apenas 61% de sua RCL aos seus credores, quando, pela Lei de Responsabilidade Fiscal, pode dever até 200%. O ministro não negou o aval, mas também não o autorizou. Pediu que se aguardasse a publicação do balanço fiscal da União de 2018 para logo depois posicionar-se. Fez exatamente a mesma coisa que seus antecessores fizeram nos governos de Dilma e Temer: enrolou, enrolou, enrolou, mas não deu a autorização.

Uma mão amiga

O PSB continua prestigiando líderes do partido que tiveram ligações com Miguel Arraes e Eduardo Campos. Agora mesmo, Paulo Câmara nomeou a ex-deputada Laura Gomes
para secretária executiva de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (adjunta de Sileno Guedes). O marido de Laura, Jorge Gomes, foi vice-governador de Arraes entre 2005 e 2008.

O plebiscito – Em Caruaru, o vereador Marcelo Gomes (PSB), filho do casal Jorge e Laura Gomes, sugeriu a realização de um plebiscito para que a população decida o que fazer com a feira da sulanca.  Vários prefeitos tentaram tirá-la do centro da cidade, mas não conseguiram.

A mágoa – Eduardo da Fonte (PP) aceitou sem reclamar a redução dos espaços que o PP tinha no primeiro governo de Paulo Câmara. Só não assimilou ainda o fato de Geraldo Júlio (PSB) não tê-lo aproveitado na prefeitura do Recife. O PP tem 5 vereadores na capital pernambucana.

A troca – De 1º de janeiro para cá, 12 senadores já trocaram de partido para entrar em outros projetos que não o da campanha eleitoral. Os de maior notoriedade foram Fernando Collor (AL) e Jorge Kajuru (GO). O 1º trocou o PSC pelo Podemos e o 2º saiu do PSD para imitá-lo.

A renovação – O Senado renovou 2/3 dos seus membros nas eleições de outubro último. Foi a maior renovação dos últimos 50 anos. Estrearam 46 novos senadores, sendo que dos 32 que tentaram a reeleição apenas 8 conseguiram escapar, entre eles Humberto Costa (PT-PT), Paulo Paim (PT-RS) e Renan Calheiros (MDB-AL).

O rombo – O Governo de Pernambuco finalmente revelou o déficit que acumulou em 2018 com sua folha de inativos e pensionistas: R$ 2,6 bilhões. Só isto faria o governador Paulo Câmara cerrar fileiras em defesa da reforma previdenciária, que não é de “esquerda” nem de “direita”, e sim uma necessária correção de rumos que evitar que a Previdência quebre.

Fora do jogo – Após reunir-se com os filhos, Silvinho (PRB), deputado federal, e João Paulo (Avante), deputado estadual, o ex-deputado Sílvio Costa Filho (Avante) decidiu não disputar mandato de prefeito ou vereador nas eleições do próximo ano. Vai ficar no “eixo” Recife-São Paulo-Brasília, mas como assessor informal dos dois rebentos.

Área obre – O secretário Rodrigo Novaes (Turismo) pretende dar nova destinação a uma das áreas mais nobres do Complexo de Salgadinho, na divisa do Recife com Olinda: o Memorial Arcoverde. Hoje, a área se encontra abandonada e servindo de ponto de encontro entre traficantes e usuários de drogas.

Dom da paz – Se vivo fosse, o arcebispo Dom Hélder Câmara teria completado ontem 110 anos de idade. Ele permanece vice nos corações e mentes dos católicos pernambucanos após comandar a Diocese de Olinda e Recife por mais de 20 anos. Seu sucessor, Dom José Cardoso Sobrinho, vive recluso no Convento dos Carmelitas, em Goiana.

As reações – A reação de advogados, juristas e professores de Direito ao pacote “anticrime” que o ministro Sérgio Moro apresentou à Câmara Federal foi muito superior ao que ele esperava. O ex-juiz da “Lava Jato” sabia que haveria reações contrárias, mas não imaginava que fossem tão intensas. Curiosamente, a criminalização do “caixa dois” foi bem mais recebida do que a prisão em segunda instância.

Fonte :Blog de Inaldo Sampaio.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||