Imbróglio do MDB está apenas começando

Publicado em 13/07/2018 às 12h00

Movimento realizado em julho do ano passado, o senador Fernando Bezerra Coelho foi convidado pela executiva nacional do MDB para filiar-se ao partido no sentido de ser candidato a governador nas eleições deste ano. Ele negociava com o DEM e caminhava para definir sua ida para o partido quando recebeu o convite da sigla e acabou optando pelo caminho do MDB. O movimento não era de fácil execução, uma vez que por diversas vezes tentaram tirar o partido de Jarbas Vasconcelos e ninguém havia conseguido.

Quando houve a sua entrada em setembro, Fernando sempre deixou claro que tinha por objetivo levar o partido para a oposição, uma vez que o PSB de Pernambuco se posicionou contra Michel Temer desde que ele chegou ao Planalto, mas não aceitava perder o partido para a oposição. Jarbas Vasconcelos e Raul Henry, cujo partido foi a tábua de salvação de ambos no momento mais difícil de suas vidas que foi após a derrota de Jarbas para Eduardo, voltaram ao poder no estado graças, sobretudo, ao tempo de televisão do partido, que foi de fundamental importância para a vitória de Geraldo Julio em 2012 e depois para a vitória de Paulo Câmara em 2014. Sem o partido, talvez Jarbas e Raul não tivessem dado a volta por cima na política.

Eles sabiam que sem o MDB perderiam valor na equação de 2018 e decidiram ir pra guerra, sobretudo na seara jurídica, e atingiram o objetivo de tirar Fernando Bezerra Coelho do jogo, que era um adversário muito mais perigoso para Paulo Câmara por conta da sua forma de fazer política, sendo um verdadeiro trator para trabalhar. Para o Palácio esse movimento foi imprescindível, porque o governador Paulo Câmara teve que enfrentar novamente um adversário que já derrotou em 2014 e que em três anos e meio de governo não polarizou com Paulo, que é Armando Monteiro.

Porém na vida e na política não existe ações sem consequências. Se por um lado Jarbas e Raul tiveram papel determinante para tirar Fernando do jogo, agora quem tem a bola é Fernando, que por não ter absolutamente nada a perder, tem as condições colocadas para tirar Jarbas Vasconcelos da chapa majoritária do governador Paulo Câmara e principalmente tirar o tempo de televisão do MDB da Frente Popular. Na última semana houve movimentações que lastreiam a tese de Fernando no sentido de colocar água no chopp de Jarbas, Raul e Paulo Câmara.

Para Fernando é fundamental que Jarbas não se eleja senador, mesmo que tenha legenda para ser deputado federal, e está óbvio que Jarbas e Raul não têm votos para elegerem os dois federais. Com Jarbas deputado federal e Raul sem mandato, Fernando torna-se o principal político do partido no estado devido à hierarquia do cargo em relação ao federal e pelo seu alinhamento com o MDB nacional, não há dúvidas que neste cenário ele será mesmo o comandante do partido, passando a ter grande relevância na engenharia política do estado, sobretudo em 2020 quando pode ter protagonismo na equação da disputa pela prefeitura do Recife, devido à importância do MDB na equação do guia eleitoral e do fundo eleitoral.

Vale salientar que o que sustenta Raul Henry no comando do partido é uma liminar que Ricardo Lewandowisk concedeu e deixou o imbróglio parado. Mas por conta da proximidade com as eleições, o ministro será obrigado a tomar alguma decisão sobre o tema. A própria Carmen Lúcia já foi fustigada sobre o caso, e é extremamente plausível que até o dia 5 de agosto tenhamos alguma definição sobre essa questão, o que ampliaria o risco de Jarbas Vasconcelos sair da majoritária de Paulo Câmara e atrapalhar tudo que foi articulado para a composição da chapa da Frente Popular. Quem achar que Jarbas está garantido na majoritária de Paulo Câmara, bem como o MDB, é bom refazer as contas, porque o risco de não entregarem a mercadoria é muito alto.

Tese – Há quem defenda que se Marília Arraes for retirada do jogo e fique Armando Monteiro e Paulo Câmara na disputa, a oposição reconsidere a posição de lançar apenas uma candidatura. Na hipótese de Fernando ter o MDB, ele seria candidato a governador apenas para cumprir tabela com apoio de siglas nanicas, e tentar forçar um segundo turno para que Armando seja o adversário de Paulo na segunda etapa, que por sua vez estaria com a base desmobilizada, beneficiando o próprio Armando.

Nanicos – Com esta tese colocada, fariam parte desta pequena coligação MDB, PRTB, PV, PSL, PHS e PSDC, e daria a oposição uma candidatura auxiliar representada por Fernando que permitiria grande retaguarda a Armando Monteiro para que ele chegasse em viés de alta no segundo turno mais forte e mais encorpado para enfrentar o atual governador.

Fundo – É importante frisar que uma das teses que sustentaram o pedido de dissolução do MDB foi lançar uma candidatura própria ao governo de Pernambuco e que o fundo eleitoral do partido sem nomes proporcionais no caso do comando ser entregue a Fernando terá que ser utilizado de alguma forma pelo partido, então pelo menos o guia eleitoral de Fernando estaria garantido sem ter que se preocupar com a disputa proporcional do partido.

Temer – Outra avaliação interessante é que se Fernando fosse o nome do MDB ao governo, ajudaria muito a tirar a pecha de palanque de Temer de Armando Monteiro que o PSB insiste em colocar no palanque oposicionista. Portanto, Armando além de ter um aliado para fazer uma tabelinha na disputa, ficaria livre da alcunha de candidato de Temer, o que pra ele não tem sido nada bom. Fernando candidato também não teria nada a perder porque continuará senador.

Apoio – O prefeito de Custódia, Manuca de Zé do Povo (PSD), apesar de integrar a Frente Popular já declarou que votará em Bruno Araújo para senador  caso ele confirme a postulação à Câmara Alta. Bruno quando ministro levou importantes ações para Custódia e por isso o prefeito quer votar nele.

RÁPIDAS

Chiadeira – Os produtores de eventos que prestam serviço para a Fundarpe estão na bronca com Márcia Souto pelo fato de não haver critério do órgão para decidir quem vai receber o pagamento de serviços prestados. Tem cachê de 2016 e 2017 que ainda não foi pago e não há qualquer previsão de recebimento. A secretaria de Cultura, que é um feudo do PCdoB segue dando problemas ao governador.

Gol contra – Ao realizar evento em Araripina, entregando cerca de 300 ensiladeiras e outros equipamentos, a secretaria de Agricultura deixou de convidar os sete vereadores e a deputada estadual da cidade que votam em Paulo Câmara, para convidar o irmão de Lula Sampaio. Lula é conhecido como fiel escudeiro de Armando Monteiro na região do Araripe. Os vereadores ficaram numa chiadeira só.

Inocente quer saber – Como Fernando vai justificar ter o controle do MDB para não ser candidato a governador?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||