Marília Arraes e João Campos travam duelo velado nas urnas

Publicado em 09/08/2018 às 10h15
Marília Arraes (PT) e João Campos (PSB) travam um duelo velado nas urnas não apenas por uma vaga na Câmara Federal
Marília Arraes (PT) e João Campos (PSB) travam um duelo velado nas urnas não apenas por uma vaga na Câmara FederalFoto: Divulgação / Facebook

A vereadora Marília Arraes (PT) e o engenheiro João Campos (PSB), neta e bisneto de Miguel Arraes, respectivamente, travam um duelo velado nas urnas não apenas por uma vaga na Câmara Federal. A disputa, já de olho na Prefeitura de Recife em 2020, é pelo espólio eleitoral da família Arraes e, consequentemente, saber quem dos dois receberá mais votos.

Novato em eleições, João, filho de Eduardo Campos, conta com o apoio do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e doprefeito de Recife, Geraldo Júlio (PSB). O empenho dos dois principais líderes do PSB tem provocado descontentamento de outros candidatos do partido.

Agora, com a entrada de Marília na disputa direta com Campos, aumentará o esforço empreendido para evitar uma derrota política. "Atendo ao chamado da Frente Popular para cumprir a honrosa missão de ser candidato a deputado federal e, junto com o povo de Pernambuco, dar continuidade ao legado de doutor Arraes e de Eduardo Campos", afirma João.

 
Marília personifica, em Pernambuco, a oposição ao governador Paulo Câmara. Após ter o nome retirado da disputa ao governo pelo comando do próprio partido, resolveu se lançar a deputada federal. Na disputa proporcional, o PT decidiu não participar da coligação de apoio ao pessebista. É uma estratégia para que a possível expressiva votação de Marília não ajude a eleger deputados do PSB.
 
Em vídeo publicado nas suas redes sociais, a vereadora foi direta. "Tomamos a decisão de lançar a nossa candidatura a deputada federal numa chapa exclusiva do PT, sem coligação. Votando em mim ou qualquer outro candidato da nossa chapa, seu voto não vai eleger deputados de outros partidos", declarou.
 
Na manhã desta quarta-feira (8), a petista falou a jornalistas que João Campos é um candidato comum. "Ele é um candidato como qualquer outro. Temos muitos candidatos. Não é por ser da família ou por não ser que seria diferente". Marília ressaltou que não tem a vaidade de ser a mais votada. "Agora, é juntar os cacos de todo esse processo que foi bastante traumático. Não tenho vaidade. Quero que o PT eleja muitos deputados. Não tenho grande estrutura de máquina, de dinheiro, de tudo isso", alfinetou. 
 
Em 2014, Marília Arraes rompeu com o primo Eduardo Campos justamente por ele não lançá-la como deputada federal. No mesmo ano, com Ana Arraes fora da disputa por ter se tornado pelas mãos do filho Eduardo Campos ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), os 387 mil votos dados a ela na eleição de 2010, que a tornou a deputada mais votada em Pernambuco e a quinta no Brasil, foram estrategicamente repartidos. 
 
Os principais beneficiados foram os mais próximos de Eduardo: os deputados federais Tadeu Alencar, Danilo Cabral e Felipe Carreras, todos do PSB e que concorrem à reeleição neste ano.
 
Em 2006, Eduardo Campos, que venceu a disputa do Governo de Pernambuco, lançou Ana Arraes para ocupar uma vaga na Câmara. Ela obteve 178 mil votos. Em 1990, o ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, pai de Ana e avô de Eduardo, foi o primeiro das urnas com 339 mil votos.
 

Fonte:Folha de PE.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||