O alvo da Petrobrás deve ser os brasileiros

Publicado em 05/06/2018 às 16h00

A próxima briga da Petrobrás não será mais com os caminhoneiros e sim com a classe média

Pesquisas de opinião realizadas nos últimos anos revelam que a maioria do povo brasileiro é contra a privatização da Petrobrás. O resultado não surpreende porque a petroleira é um dos orgulhos da nação. Foi criada em 1953 pelo presidente Getúlio Vargas para extrair petróleo do nosso subsolo e hoje produz aproximadamente 2 milhões de barris/dia, quase o suficiente para suprir a demanda interna. A empresa passou por uma grave crise no governo Dilma, que mandou segurar os preços dos combustíveis para acalmar a inflação, após ter sobrevivido ao governo Lula, que loteou suas diretorias com partidos políticos, gerando o escândalo da Lava Jato. Ao assumir em 2016, o presidente Michel Temer convidou Pedro Parente para dirigi-la, o qual impôs algumas condições: não aceitaria ingerência política na escolha dos seus diretores e a política de preços obedeceria à variação do preço do barril do petróleo no mercado internacional. O resultado dessa política todos conhecemos: 11 dias de greve dos caminhoneiros, que paralisou o Brasil e obrigou o próprio Parente a pedir demissão. O novo presidente Ivan Monteiro já disse que não mudará a política do seu antecessor, ou seja, a Petrobrás continuará sendo gerida como empresa privada. A continuar assim, a próxima briga da empresa não será mais com os caminhoneiros e sim com os consumidores de gasolina, que irão se fazer esta pergunta: ora, se a lógica da Petrobrás é a mesma da empresa privada, gerando lucros bilionários para seus acionistas privados, qual o sentido de ser estatal? Privatiza logo!

A desmoralização dos partidos 

Com diz o ex-presidente FHC, nossos partidos políticos estão desmoralizados. Em recente passagem pelo Agreste, o deputado André de Paula (PSD) afirmou que “quando a gente pensava que nada podia ser pior, veio o vice escolhido por Dilma (Temer) e deu nessa bagaceira que aí está”. O presidente do partido de André, Gilberto Kassab, foi ministro de Dilma e é de Temer.

Livres – Antes de se filiar ao PPS, Daniel Coelho exigiu da sua direção que abrisse espaço para o “Livres”, que militava no PSL e saiu após a entrada de Bolsonaro. Pois bem, esse movimento elegeu domingo o prefeito de Teresópolis (RJ), Vinicius Clausen, exatamente pelo PPS.

A posse – O TCE empossará hoje às 11h os 36 candidatos aprovados no concurso público de 2017. O último se realizou em 2014. A concorrência foi pesada: 500 candidatos para cada vaga.

Hemope – O vereador Marcos de Bria (PSDC) vai promover uma ação humanitária no bairro de Santo Amaro: um campeonato de futebol, que se iniciará no próximo sábado, para estimular os atletas a doarem sangue ao Homope.

Assessoria – O coronel PM Luiz Meira, pré-candidato a governador pelo PRP, já começou a andar pelo interior apresentando-se como “o candidato de Bolsonaro”. Já montou inclusive uma assessoria técnica e contratou o jornalista Bruno Cantarelli para assessorá-lo.

Pesquisa – O instituto Múltipla (Arcoverde) já entrou em campo para fazer nova pesquisa sobre a intenção de votos dos pernambucanos para o governo estadual e as duas vagas do Senado. O pedido de registro foi feito ao TRE na última 6ª feira, estando a divulgação prevista para o dia 7.

Fonte :Blog de Inaldo Sampaio.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||