Paulo Câmara consolida troca na Compesa e indica uma mulher

Publicado em 13/08/2019 às 14h00
Manuela Marinho
Manuela MarinhoFoto: Fotos: Heudes Regis/SEI

A alteração no comando da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), que já estava no radar do Palácio das Princesas, como a coluna antecipou no último dia 6, foi consolidada ontem. Para o lugar de Roberto Tavares, que presidia a Compesa desde 2011, o governador Paulo Câmara indicou a engenheira civil Manuela Marinho. Tavares, que é fazendário, será nomeado assessor especial do Secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha. Auditora da Fazenda da Paraíba, Manuela já estava cedida desde 2013, quando foi atuar na Secretaria da Fazenda, que tinha, à epoca, Paulo Câmara como titular. Quando Câmara foi eleito governador, Manuela passou a fazer parte da equipe de Felipe Carreras na Secretaria de Turismo, coordenando o principal programa da pasta, o Prodetur. Chegou a assumir o comando da secretaria como interina quando Carreras deixou a pasta e, agora, estava comandando a área de Transportes da Secretaria de Infraestrutura, que tem Fernandha Batista à frente. Nos bastidores da administração Paulo Câmara, um desgaste na relação de Roberto Tavares com o núcleo duro do governo já era anotado há algum tempo, como a coluna registrara. Para os secretários da gestão, o mal-estar não era mais surpresa. No debate da dança das cadeiras, o nome de Roberto Gusmão, da URB, chegou a ser cotado e, segundo auxiliares do governador observaram, remeteria à influência que o prefeito Geraldo Julio teria nessa equação. Desde que a mudança no comando da Compesa entrou no radar, governistas grifavam que a movimentação carregaria digitais de Geraldo Julio e de Antonio Figueira, da Assessoria Especial do governador. Ainda como a coluna sublinhara, a saída de Roberto Tavares da Compesa coincide com o fim do mandato dele à frente da Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe), missão que se encerrou em solenidade na semana passada, no último dia 30. Houve secretário da gestão, nas coxias, grifando o seguinte: "Se dependesse só de Paulo Câmara, talvez, Roberto Tavares não fosse submetido a essa dança das cadeiras". Se o carro chefe do governo é a Educação, em volume de obras, o maior peso é atribuído à Compesa. Não à toa, parte considerável das agendas do governador Paulo Câmara no interior inclui inaugurações relacionadas à companhia. A Compesa tem a seu favor: saldos de financiamentos a executar, capacidade de endividamento, de lançar títulos e de funcionar independente do tesouro do Estado. Ontem, um auxiliar do governador, à coluna, destacou que Manuela foi a "solução intermediária" em meio à tensão latente.

Impeachment volta à pauta

Presidente da Câmara de Camaragibe, Antônio Oliveira estava na dependência de um parecer do Jurídico da Casa para colocar em votação, hoje, novo pedido de abertura de impeachment contra o prefeito afastado, Demóstenes Meira. "Outro pedido foi protocolado no dia 25 de junho com novas denúncias, baseadas na investigação do Draco. Só basta a Câmara acatar. Vai ser lido em plenário e a câmara decidirá se aceita ou não", informa Antônio Oliveira à coluna.

Povo na porta > Na avaliação do presidente da Câmara, pesa, agora, sobre a Casa a pressão popular. "Os vereadores têm que pensar, agora, no movimento da cidade”, alerta o presidente.
 
Omissão > "Como presidente, avalio que a Câmara já deveria ter feito o papel dela. A Câmara foi omissa diante de tudo que Camaragibe passou. A Câmara deixou de exercer seu papel. A Polícia Civil veio e fez o papel que era para ser exercido pela Câmara", analisa Antônio Oliveira. A casa tem 13 vereadores.
 
Previsão > Para aprovar a abertura do processo, são necessários nove votos. O tema pode entrar na pauta às 9h de hoje.
 
Fonte : Folha de PE.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||