PED antecipa debate de 2020, que contempla PSB

Publicado em 12/09/2019 às 12h00
Oscar Barreto
                              Oscar BarretoFoto: Arquivo Folha

A ala do PT que trabalha no sentido de manter a aliança com o PSB no Estado comemora o resultado do PED. No Estado, a chapa que reuniu nomes como o senador Humberto Costa, o vereador João da Costa, além dos deputados Carlos Veras e Doriel Barros, obteve 7.217 votos, a ala liderada por Marília Arraes e Teresa Leitão somou 5.716, a de Oscar Barreto, 3.827 votos, a de Osmar Ricardo, 1.865 votos, enquanto a DAP levou 692 e a de Zé de Oliveira, 308. A despeito do volume de chapas, tirando a de Marília e a de Teresa e a DAP, as demais representam pensamentos e projetos equivalentes. Leia-se: a defesa da manutenção da aliança com a Frente Popular. No Recife, a estratégia de pulverizar as chapas se repetiu. Na Capital, a chapa de Oscar (690) levou 1.217 votos, a de João da Costa (680), 1.260, a de Osmar Ricardo (650), 1278, a de Zé de Oliveira (600), 75 votos e houve ainda 151 votos da chapa de número 610. De outro lado, a chapa apoiada por Marília e Teresa Leitão (630), teve 684 votos. “Nós estamos em chapas diferentes, mas temos pensamentos iguais. A militância deu recado claro. Vamos conduzir esse PT para o futuro para recuperar inciativa do campo popular. O pensamento que ganhou defende a unidade das forças populares”, realça Oscar Barreto, cujo candidato, Cirilo (510), venceu a disputa pela presidência do PT no Recife, com 3066 votos. A candidatura apoiada por João da Costa (588) obteve 769 votos, a de Marília e Teresa (530), 703 votos e a de Zé de Oliveira (500), teve 104 votos. O resultado do Recife tem peso para o debate de 2020.

Se Marília e Teresa defendem candidatura própria, o comando do partido na Capital estará com uma ala que trabalha pela aliança com a Frente Popular. Teresa , por sua vez, lembra que na disputa de 2018 havia uma coordenação das decisões em relação à esfera nacional, porque o PSB articulou posição de neutralidade em prol de Fernando Haddad na corrida presidencial. Dessa vez, grifa Teresa, a eleição é mais focada nos municípios. O PED, no entanto, funciona como um termômetro do que está por vir e termina por antecipar o debate, que interessa também ao PSB.

“Nem choro, nem vela”
Oscar Barreto adianta o seguinte: “Não vamos levar o PT para o isolamento. E segue: “Não tem choro nem vela, tem resultado do PED e a condução do PT vai ser dada pelos filiados de maneira majoritária”. O conjunto “defende o combate aos setores reacionários e precisa de ampla aliança para isso”.
 
Plebiscito > Teresa Leitão lembra que esse processo eleitoral interno é visto com ressalvas por alguns, exatamente por esse clima, que atrai até interferências externas. Em 2021, haverá plebiscito para analisar esse processo de eleição de dirigentes.
 
Agreste > O grupo de Teresa Leitão contabilizou uma série de vitórias no Agreste. Venceu nas seguintes cidades: Camocim de São Félix, Agrestina, Panelas, Sanharó, Riacho das almas, Santa Cruz do Capibaribe e Caruaru.
 
Simone na Alepe > Como a coluna cantou a pedra, ontem, no Portal da Folha de Pernambuco, Luciana Santos embarcou para Portugal. Antes, ela transmitiu o cargo para o presidente da Alepe, Eriberto Medeiros. Resultado: Simone Santana assume o comando da Alepe. Primeira mulher a assumir o comando da Casa, ela avalia que Pernambuco está “fazendo jus a sua história não é de agora”. Emenda que “desde sempre, o Estado está na vanguarda e as mulheres pernambucanas estão sempre presentes em momentos históricos”. Cita Brites de Albuquerque, as mulheres de Tejucupapo, Bárbara Alencar e Adalgisa Cavalcanti. 
 
Fonte : Folha de PE.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||