Sagrado x Profano

Publicado em 13/02/2019 às 15h00

O imbróglio que virou a escolha da nova presidente da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da Assembleia Legislativa é um reflexo da sociedade; um microcosmo das redes sociais. O debate foi reduzido ao “Sagrado” versus o “Profano”. Virou elementar demais para o tamanho de um Parlamento estadual. De um lado, Clarissa Tércio representando a bancada evangélica, o discurso e a temática que esse segmento defende. Do outro, as codeputadas Juntas, vindas do movimento social, empunhando a bandeira LGBTQIA, a igualdade de gêneros e outras pautas. Ou seja, ideologicamente, os dois opostos. O que seria um excelente argumento para o bom debate, que é da natureza do Legislativo, contudo, virou uma briga de menino birrento sem ninguém ceder. Se prolongado, o impasse pode apequenar a Alepe frente aos desafios que o colegiado em questão e a própria Casa têm pela frente. 

Um acordo entre as lideranças de governo e oposição, praxe regimental na composição das comissões, acabou não sendo cumprido na instalação da de Direitos Humanos, ontem. Pelo acertado, as Juntas presidiriam o colegiado com um deputado da bancada evangélica na vice. Clarissa, então, reivindicou a Presidência com a justificativa de que as colegas são independentes do ponto de vista político e não pertencem à oposição. Como a vaga estava reservada a um parlamentar oposicionista, ela decidiu concorrer com o aval da sua bancada. A reunião, que estava lotada com claques dos dois lados, foi muito tensa, e, por pouco, não acabou em bate-boca. O desconforto nos semblantes dos parlamentares era visível. 

Depois das tentativas frustradas frente às câmeras de se alcançar um consenso, os deputados resolveram jogar para a amanhã, às 11h30, a escolha. Até lá, vão tentar chegar a um denominador comum. Uma das sugestões era a opção por um tertius; no caso, o deputado João Paulo, que, apesar de ter a experiência de uma vida pública extensa, é do governo. Durante a sessão, o ex-prefeito fez discurso, pediu que os colegas pensassem no drama de milhares de pessoas que precisam do trabalho da comissão e também na Casa. Em vão; nem as Juntas e nem Clarissa retrocederam.

À tarde, como este colunista noticiou com exclusividade, correu nos bastidores uma versão de que, na verdade, o movimento de Clarissa seria o pano de fundo de uma disputa entre dois pastores fortes no estado: o pai da deputada, Francisco Tércio, da Novas de Paz; e o Pastor Ailton José, da poderosa Assembleia de Deus Convenção Recife. Clarissa e Francisco Tércio são aliados dos irmãos Ferreira. Esses, por sua vez, teriam brigado com Ailton, que tem no seu time os deputados Cleiton Collins e Presbítero Adalto. O embate, então, seria por espaço e visibilidade. Se a versão realmente se comprovar, o problema é ainda maior porque uma briga de cunho político-religioso estaria contaminando o Parlamento. E as Juntas, que não têm nada a ver, estariam sendo usadas nessa “Guerra Santa”.

Alternativas – Apesar dos apelos dos colegas, nem as Juntas e nem Clarissa Tércio devem abrir mão de bater chapa pela Presidência da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da Alepe. Uma das opções, nesse caso, seria que o escolhido saísse dos três outros integrantes do colegiado: João Paulo, Cleiton Collins ou Presbítero Adalto. Como Collins e Adalto são de um segmento evangélico contrário ao de Clarissa, e João não foi aceito de imediato, outra alternativa seria a liderança do governo trocar um dos nomes da bancada por outro deputado que viesse a ser o eleito.  

Habilidade – A sessão plenária na Alepe pegava fogo, ontem, com Wanderson Florêncio discursando na Tribuna e um grupo de populares da Brasília Teimosa vaiando o parlamentar das galerias, gritando por acesso à moradia. Após o deputado terminar a fala, os protestantes continuaram fazendo barulho, o que motivou a interrupção da reunião por alguns minutos. Foi quando João Paulo, habilidoso que só ele, subiu às galerias, e, em cinco minutos de conversa, desarmou a turma toda. E ainda saiu aplaudido.
 

Levitação – Por falar em João Paulo, quem o viu conversar com o deputado Tony Gel, ontem, no Buraco Frio, sobre meditação, teve a certeza que os dois ex-prefeitos são especialistas no assunto – também, para aguentar as broncas do Recife e de Caruaru só sendo zen mesmo. Tony falou sobre a sua experiência com a prática, citando uma visita à Índia, quando João Paulo perguntou se o colega já tinha levitado. Diante da negativa do parlamentar, o comunista, então, contou suas vivências com a levitação. Pense que são duas figuras!

Posse – Também na sessão de ontem, o deputado estadual Diogo Moraes tomou posse para seu novo mandato. O socialista, em discurso emocionado, explicou que voltará a se afastar por um tempo para tratar da saúde. A coluna deseja toda sorte ao parlamentar e torce para que ele se reestabeleça o quanto antes. Diogo, que foi escolhido líder do PSB na Assembleia, esteve com o governador Paulo Câmara pela manhã, no Palácio do Campo das Princesas.
 

CURTAS

EXCELENTE NOME – Excelente escolha a do governador pelo ex-deputado Zé Maurício para a Secretaria Executiva de Relações Institucionais da Casa Civil. Muito querido entre os deputados, Zé é uma unanimidade na Casa; tem trânsito livre entre os parlamentares e vai poder ajudar muito o governo na nova função.

MEIO AMBIENTE – Estreante na Câmara do Recife, o vereador e ex-prefeito João da Costa é cotado para presidir a Comissão de Meio Ambiente da Casa de José Mariano. O colegiado – que terá papel fundamental na discussão de projetos importantes da cidade, a exemplo do novo Plano Diretor – ainda é formado por Augusto Carreras, Goretti Queiroz e Ricardo Cruz.

LARANJAS DO PSL – Mesmo no hospital se recuperando de uma cirurgia, o presidente Jair Bolsonaro responsabilizou o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência) pela já denominada crise dos Laranjas do PSL – o auxiliar comandava o partido durante a campanha. Aliados de Bolsonaro já querem a cabeça de Bebianno como uma forma de estancar a sangria. E Luciano Bivar?

Perguntar não ofende: Quem é a sua preferida para a Comissão de Direitos Humanos da Alepe: as Juntas ou Clárissa Tércio? Resposta pelo WhatsApp Cidadão da Coluna: (81) 99198-0838.

Por Arthur Cunha – especial para o blog.

Fonte :Blog do Magno Martins.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||