Cardozo diz que provas contra Lula no processo de Moro são frágeis

Publicado em 15/09/2017 às 19h15

Cardozo foi o entrevistado do Resenha Política / Foto: TV JCCardozo foi o entrevistado do Resenha Política

Foto: TV JC
Da editoria de Política
 

O ex-ministro da Justiça do governo de Dilma Rousseff (PT), José Eduardo Cardozo, afirmou, em entrevista à TV JC, na tarde desta sexta-feira (15), que a sentença de condenação do ex-presidente Lula (PT), proferida pelo juiz federal Sérgio Moro, sobre a aquisição de um apartamento triplex no litoral paulista, não é suficiente para barrar a candidatura do petista à presidência no próximo ano.

"Em condições normais de temperatura e ambiência, acho que um Tribunal não manteria essas provas. Espero que seja feita Justiça. Eu confio no TRF, confio na Justiça brasileira e espero que seja feita justiça. Acredito sinceramente que ele será candidato porque não é possível que ele seja privado do direito de ser candidato e os eleitores privados do direito de eleger uma pessoa com uma sentença marcada pela fragilidade", disse Cardozo em entrevista ao Resenha Política.

Cardozo também comentou o vazamento de aúdios do empresário Joesley Batista, que o cita, afirmando que Cardozo teria ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sob seu comando. "Os áudios mostram que eles queriam me pegar para atingir o Supremo Tribunal Federal, inclusive se eu pudesse ser preso, melhor ainda, porque eles disseram que ‘o Zé (eu) não resiste a 30 minutos de cana’. ‘Vamos pegar o Cardozo que ele vai quebrar o judiciário’. Fiquei muito triste, porque me atingiu pessoal e profissionalmente. Disseram que eu tinha ministro do Supremo na minha mão. Se eu tivesse ministro na mão, do Supremo, Dilma não teria sofrido o impeachment", afirmou.

O ex-ministro também criticou a forma como a Lava Jato vem sendo conduzida e que, na opinião dele, há abuso de poder. "É uma virtude combater a corrupção. Mas eu não combato uma virtude encorrendo em outros ilícitos como é o abuso de poder. Eu vejo na Lava Jato uma grande virtude, o combate à corrupção, e um grande pecado - a forma. Eu não posso prender pessoas para que elas delatem. isso é inaceitável, porque a pessoa vai mentir. Do ponto de vista pragmático, é um erro. O delatado, para agradar o investigador, ele vai criar, vai inventar", disse.

Fonte :JC.

Enviar comentário

voltar para Blog

left show fwR|left tsN uppercase fwB|left show fwB fsN uppercase|bnull|||login news fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR c15 fsI|b01 c05 bsd|login news c10|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|b01 normalcase bsd c05|content-inner||