Para oposição, chapinha de aliados socialistas é troco ao PSB 28 anos depois de Arraes

Publicado em 06/03/2018 às 10h00
Os adversários de Paulo Câmara na disputa eleitoral deste ano estão rindo à toa com a formação da chapinha, organizada por presidentes de vários partidos da Frente Popular, com receio de participarem do chapão com o PSB e outros aliados.

“O desespero de Paulo Câmara é grande. Ele ficou encurralado com os partidos aliados e a formação da chapinha ajudou na confusão. A chapinha é a salvação de deputados como Cadoca, Augusto Coutinho (presidente do Solidariedade), Luciana Santos (presidente do PC do B), Wolney Queiroz (liderança do PDT). É a segurança deles. O PSB não aceita, mas se eles forem para o chapão é morte anunciada. Esse filme se repete 28 anos depois. Quando Miguel Arraes montou a chapinha e elegeu 6 federais. O PSB agora tá recebendo o troco”, avalia um analista da cena política local.

“O PSB corre o risco de tirar da câmara quadros importantes. Na chapinha que Arraes montou em 1990, com 339 mil votos, perderam os mandato Fernando Lyra, Cristina Tavares, Egídio Ferreira Lima e Maurilio Ferreira Lima. Foram beneficiados Sergio Guerra, Piaulino, Renildo Calheiros, Roberto Franca”, citam.

De acordo com essas fontes, a adesão ao chapão atual serviria apenas para eleger com segurança nomes como Danilo Cabral (PSB), Tadeu Alencar (PSB) e João Campos (PSB).

A ameaça de debandada no PDT, com os deputados estaduais e os prefeitos ligados a Guilherme Uchoa também são atribuídos a chapinha. O próprio presidente da Alepe ironizou a situação, depois que o filho não recebeu legenda do PDT. “Ele não precisa de chapinha para se eleger”, afirmou.

Na semana que passou, o cacique Eduardo da Fonte, presidente do PP, que promete eleger mais de 12 deputados estaduais e todo dia anuncia mais calda para as eleições de deputados estaduais também, reafirmou que não abre mão de lançar a tal chapinha.

“É uma iniciativa que não muda. Vamos continuar discutindo e fazendo contas. Eu acredito que será melhor para eleger Paulo. É melhor 37 candidatos pedindo votos para ele ou 74 candidatos pedindo votos para ele. Com duas chapas (chapão e a chapinha) teremos 74 candidatos, que é o limite legal se fizermos duas coligações na Frente Popular”, comentou.

Uma das dúvidas que persistem, antes da formação oficial das chapas, também é o destino do PT, caso se alie mesmo com o PSB nestas eleições.

“Quando eles se associaram ao PTB, nas últimas eleições, não elegeram ninguém. Se tivessem feito uma chapinha, poderia ter sido diferente. Eles foram para o lado de Armando e foram comidos de coco. Será que vai acontecer de novo, agora com o PSB?. Vão repetir a dose de 2014?”, questiona uma fonte do blog.

Naquele ano, os petistas ajudaram apenas a garantir os mandatos para aliados de Armando Monteiro Neto.

Ex-prefeito de Itapissuma se filia

A nove meses das eleições, o PP anuncia toda semana novos nomes com objetivo de aumentar a bancada na Assembléia Legislativa do estado.

Desta vez, quem se filia ao partido, com o apoio de Eduardo da Fonte, foi o ex-prefeito de Itapissuma Cal Volia, que compareceu a sede do partido ao lado do atual prefeito da cidade, José Tenório, e do deputado federal Marinaldo Rosendo.

Em 2004, Cal Volia exerceu o mandato de vereador em Itapissuma. No ano de 2008 se elegeu a prefeito e em 2012 se reelegeu, cumprindo seu mandato em 2016 e nunca perdendo uma eleição em sua carreira política.

Junto com o deputado federal Marinaldo Rosendo, o pré-candidato a deputado estadual pelo PP prometeu que vai fazer dobradinhas em várias cidades de Pernambuco.

“Sabemos que a política vive um momento de descrença, mas a gente tem um histórico muito bom e isso passa confiança. Estamos muito animados com o novo desafio e a nossa grande bandeira é ampliar o desenvolvimento industrial. A Região Metropolitana Norte cresceu muito e hoje é uma cidade muito atrativa para o crescimento industrial. E a idéia é levar essa experiência que tivemos para todo o estado de Pernambuco”, conta Cal Volia.

Professor de Medicina se filia ao PP e lança pré-candidatura a deputado estadual

Nesta segunda (05), o partido Progressistas divulgou mais uma filiação. O médico e professor de universidade, Dr. Domingos Melo, já foi do PSC (Partido Social Cristão) e agora se filia ao Progressistas com o apoio do deputado federal e líder do partido em PE, Eduardo da Fonte e do deputado estadual, Cleiton Collins.

O pré-candidato a deputado estadual Dr. Domingos Melo foi médico auditor da Secretaria de Saúde de Pernambuco durante cinco anos. Se formou em Medicina no ano de 1989 pela UPE, tem Pós-graduação em Gestão de Saúde, especialização em Oklahoma Uiniversity EUA, Doutorado em Ciências pela USP e é professor de medicina e coordenador nacional da Pós-graduação de cardiologia de uma universidade no Recife.

“Conheço todo sistema de saúde do estado, visitei como auditor quase todos os sistemas de saúde de Pernambuco avaliando toda a funcionabilidade e me sinto extremamente pronto e preparado para executar grandes resultados junto ao Progressistas”, disse Domingos, orientador de várias ações durante o mandato de deputado estadual do pastor Cleiton Collins.

                                  Dudu da fonte em todas

Candidato a cacique nestas eleições, o deputado federal e líder do Progressistas em Pernambuco, Eduardo da Fonte, reapareceu em uma visita de cortesia ao presidente do TJPE (Tribunal de Justiça de Pernambuco), desembargador Adalberto Oliveira, com a presença do vereador do Recife Romero Albuquerque, também do PP. Na oportunidade, a assessoria do deputado do PP disse que ele se colocou à disposição para ajudar junto ao Governo Federal com a cessão do terreno da União para a construção do Fórum Criminal, que será instalado no Grande Recife e é tido como fundamental para a Justiça do estado de Pernambuco.

Fonte:Blog do Jamildo.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||