Datafolha confirma favoritismo de Jair Bolsonaro no segundo turno

Publicado em 11/10/2018 às 11h00

No primeiro turno havia uma máxima de que Jair Bolsonaro seria derrotado por qualquer adversário num eventual segundo turno, todas as pesquisas apontavam a sua desvantagem em relação aos seus concorrentes e muitos apressados acreditavam que ele seria derrotado em qualquer cenário. As urnas do último domingo trouxeram uma realidade dolorosa não só para estes analistas como aos seus adversários. Ibope e Datafolha, os dois maiores institutos de pesquisa do Brasil, apontavam Jair Bolsonaro com apenas 41% e 40% dos votos válidos, respectivamente. A eleição apontou Bolsonaro com 46% dos votos válidos contra 29% de Fernando Haddad.

As urnas concederam a Bolsonaro a maior votação nominal de um candidato a presidente no primeiro turno de toda a história e fazem dele o favorito a vencer no segundo turno, pois das últimas sete eleições presidenciais, cinco foram resolvidas em dois turnos e em todas as disputas o primeiro colocado do primeiro turno sagrou-se vitorioso na segunda etapa, o que consolida o favoritismo de Jair Bolsonaro na segunda etapa.

O Datafolha divulgou ontem seu primeiro levantamento sobre o segundo turno e diferentemente de suas pesquisas sobre a segunda etapa realizadas antes da eleição, Jair Bolsonaro chegou a 58% dos votos válidos contra 42% de Fernando Haddad. Considerando os votos válidos do primeiro turno, que foram 107.050.673, Bolsonaro chegaria a 62.089.390 votos contra 44.961.282 de Haddad.

A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad foi de quase 18 milhões de votos no primeiro turno, e ela seria repetida na segunda etapa, com a diferença de que o candidato do PSL cresceria quase 13 milhões de votos, mesma quantidade de votos obtida por Haddad em relação ao primeiro turno. Para retirar a vantagem de Bolsonaro, a partir de hoje, Haddad precisaria reverter mais de um milhão de votos ao dia, o que é uma tarefa cada vez mais difícil de ocorrer.

Estamos a 18 dias da eleição e não há na história nem na própria conjuntura da eleição, qualquer tipo de perspectiva de virada de Haddad em relação a Bolsonaro, que tem tudo para ser eleito presidente da República no próximo dia 28, quebrando uma hegemonia de quatro eleições presidenciais vencidas pelo Partido dos Trabalhadores.

Desnecessário – Eleito deputado estadual em 2014 porque realizou uma coligação eleitoral com o PMN, Edilson Silva se autointitulou como o mandato necessário na Assembleia Legislativa de Pernambuco, porém o que se viu foi ao longo de quase quatro anos um parlamentar pouco expressivo. As urnas do último domingo mandaram Edilson pra casa, evidenciando que ele é desnecessário para Pernambuco.

Juntas – O PSOL, partido de Edilson Silva, não ficou sem representação na Alepe com a sua saída, pois elegeu o mandato coletivo das Juntas, um grupo de cinco mulheres que se uniram para eleger uma representante. Este grupo será representado por Jô Cavalcanti, inovando na política e mostrando uma boa ideia para representar setores da sociedade.

Dani Portela – Por falar no PSOL, Dani Portela merece o registro de ter obtido o melhor resultado do partido em disputas majoritárias em Pernambuco. Extremamente qualificada para o debate, Dani atingiu quase 200 mil votos, resultado que a credenciou para missões mais importantes, como por exemplo ser vereadora do Recife na próxima eleição e colocar em prática toda sua competência demonstrada na campanha deste ano.

Sebastião Oliveira – O deputado federal reeleito Sebastião Oliveira foi o quarto mais votado de Pernambuco com 129.978 votos e ao lado de André de Paula, eles foram os únicos reeleitos que ampliaram a votação em relação a 2014, os demais que foram reeleitos,  todos baixaram seus votos em relação ao pleito anterior.

Força – A vitória de Gustavo Gouveia para deputado estadual como o mais votado da oposição consolidou a força política do prefeito de Paudalho, Marcelo Gouveia, que é a maior liderança da Mata Norte a partir de agora.

RÁPIDAS

Silvio Costa Filho – Além de ter sido o segundo mais votado da chapa da oposição, Silvio Costa Filho é o presidente do único partido da coligação de Armando Monteiro que elegeu mais de um deputado federal. Mas ele também tem que comemorar o fato de o PRB ter superado DEM, PSDB, PSC e PTB em bancada nacional, tornando-se o principal partido da oposição em Pernambuco.

Romero Albuquerque – Eleito vereador do Recife em 2016, Romero Albuquerque deu mais um salto na sua carreira política tornando-se deputado estadual no último domingo com quase 30 mil votos. Expoente da defesa da causa animal, Romero terá condições de levar sua atuação para todas as regiões de Pernambuco a partir de 2019.

Inocente quer saber – Surtirá algum efeito a mudança de logomarca de Haddad escondendo o vermelho do PT?

Fonte : Blog Edmar Lyra.

Enviar comentário

voltar para Blog

bdt b02|left|||||login news bdt b02|bdt b02|bdt b02|login news bdt b02|b02 bdt|bdt b02|content-inner||